sábado, 14 de novembro de 2020

objecção de consciencia? Barra-se-lhes entrada no Ensino Superior público...


Barrar ensino superior público a quem recuse aulas de Cidadania pode ser solução, diz a magistrada. 
Dulce Rocha defende que a “solução para alunos de Famalicão não deve ser o chumbo”. E sugere alternativa: se irmãos chegarem aos 16 anos e decidirem que não querem que lhes sejam ministrados conteúdos de Cidadania e Desenvolvimento que estão a falhar agora barrar-lhes entrada no ensino superior público pode ser a opção.(d’AQUI)

Os nacional-socialistas consideravam as crianças o futuro do Reich, e o futuro que essas crianças construiriam era o que estava escrito no Mein Kampf, os professores eram instruídos a ensinar as crianças de modo que elas estivessem de acordo com os princípios educacionais, culturais e morais socialistas.

quarta-feira, 4 de novembro de 2020

A revolta dos republicanos contra Trump começou...

Derrotados em 2016, os republicanos que estão contra Trump voltaram em 2020. Entre os vários grupos, destaca-se o Lincoln Project — que já irritou o Presidente. Mas chegará para derrotá-lo? 
( um Texto de João de Almeida Dias para conferir )

domingo, 1 de novembro de 2020

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

aleluia!

Leonard Norman Cohen

(Westmount, 21 de setembro de 1934 — Los Angeles, 7 de novembro de 2016)

sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Um elogio funebre: 17 de Setembro de 2020. Como se fez um dos piores dias na vida política de Costa


Na sua longa vida política de mais de 40 anos, António Costa, de 59, já viveu dias bastante complicados - para não dizer profundamente dolorosos. 

Ninguém esquece - começando pelo próprio - aquele 17 de Junho de 2017, quando um incêndio em Pedrógão, que alastrou a vários concelhos vizinhos, matou 65 pessoas, a maior parte das quais (47) apanhadas dentro de carros a fugir na Estrada Nacional 236.

Ou depois, no mesmo ano, na madrugada de 16 de Outubro, o drama de ver a tragédia de Pedrógão a repetir-se ponto por ponto - incêndios ciclópicos e caos na Protecção Civil - com 45 pessoas a morrerem vítimas de dezenas de incêndios em 27 concelhos da região centro (sobretudo os distritos de Viseu, Guarda, Castelo Branco, Aveiro e Leiria)

Costa também não se esquece daquele 22 de Maio de 2003, uma quinta-feira, em que um jovem juiz de instrução, Rui Teixeira, foi ao Parlamento para interrogar, e depois prender preventivamente, um deputado do PS, sob a horrorosa suspeita de pedofilia - coisa nunca vista na democracia e incomparavelmente pior do que uma suspeita de corrupção ou outra do género. 

Na altura líder parlamentar do PS, Costa já há dias que sabia que a tempestade vinha a caminho e tentou por todos os meios, junto dos seus amigos do sector da justiça, livrar Pedroso da prisão - mas em vão. (Pedroso esteve preso preventivamente durante quatro meses e depois foi libertado. Nunca foi acusado de nada.) 

Igualmente inesquecível, no pior sentido, foi aquele 9 de Junho de 2004, uma quarta-feira, quando, sendo número dois na lista do PS ao Parlamento Europeu, viu o número um da lista, António Sousa Franco, morrer vítima de ataque cardíaco, depois de uma muitíssimo agitada acção de campanha na lota de Matosinhos, onde o cabeça-de-lista serviu de arma de arremesso numa guerra de facções que estalara no PS-Porto. 

A longa vida política de Costa já incluiu dias muito difíceis - para não falar dos de derrota eleitoral, como a de 5 de Junho de 2011, face à coligação PSD-CDS liderada por Pedro Passos Coelho. E ontem, quinta-feira, foi mais um deles, um daqueles que o PM nunca esquecerá. 
Não ligar aos avisos 

Ignorando conselhos amigos, Costa aceitou, mais uma vez - como já fizera em 2016, sendo portanto já chefe do governo - integrar a comissão de honra de mais uma recandidatura de Luís Filipe Vieira à presidência do Benfica. A notícia, avançada pelo Expresso no sábado passado, transformou-o num saco de pancada durante toda a semana. 

Na cúpula do PS e do governo foram bem percebidos os sinais de ruptura na confiança do país no PM por causa desta decisão - só faltando agora saber se os efeitos serão de curto, médio ou longo prazo. Para isso contribuíram muito as críticas que ouviu do Presidente da República. 

Mas - mais uma vez ignorando conselhos de quem o rodeia - Costa insistiu em manter-se na comissão de honra, agarrando-se à palavra que dera a Vieira. Só que este decidiu "demitir" o PM da comissão de honra. A notícia soube-se nesta quinta-feira já perto das 14.00. Num comunicado, o presidente do Benfica anunciou: "Agradecendo a todos a disponibilidade manifestada, tomei a iniciativa de retirar da minha comissão de honra todos - todos - os titulares de cargos públicos, sejam autarcas, deputados ou membros do governo." 

A notícia caiu como uma bomba. Num comentário nas redes sociais, o comentador político do DN Pedro Marques Lopes - adepto, note-se, do FC Porto - sintetizou o tom geral das críticas: "A triste figura que Costa fez em aceitar estar na comissão de honra de Vieira só é excedida pela tristíssima de ser corrido pelo presidente do Benfica." 
O dano atingiu a própria base política de apoio ao primeiro-ministro. Francisco Seixas da Costa, embaixador aposentado próximo do PS (foi secretário de Estado dos Assuntos Europeus no tempo de Guterres), verbalizou, também nas redes sociais, a sua perplexidade. 

Algures durante a semana, para tentar atirar o "VieiraGate" para segundo plano mediático, Costa acelerou uma remodelação governamental de cinco secretários de Estado que já vinha a planear há algum tempo. 

A pedido expresso da ministra da Saúde, a remodelação incluiu a (até ontem) secretária de Estado adjunta e da Saúde, Jamila Madeira - ex-líder da JS e um nome de peso no aparelho do PS (no Algarve). As duas nunca se deram bem - e Temido foi cavalgando o facto de Jamila ter chegado ao ministério sem experiência no setor. 

Quem conhece bem Jamila Madeira já antecipava na quarta-feira que a ex-líder da JS, tendo saído contrariada, não se deixaria ficar. E assim foi. Numa declaração à Lusa pelas 13.30 - pouco antes, portanto, do comunicado de Vieira -, Jamila - agora de regresso ao Parlamento, confirmava que tinha sido empurrada borda fora. 

"Não pedi para sair e naturalmente fiquei muito surpreendida com a opção da senhora ministra da Saúde [Marta Temido]. Mas saio de consciência tranquila de missão cumprida com a certeza de que fiz tudo o que estava ao meu alcance num ano particularmente inédito", escreveu a (agora de novo) deputada. 

"Após este quase um ano de mandato nas funções de secretária de Estado adjunta e da Saúde, gostava de dizer que é com orgulho que saio num momento em que podemos dizer que terminou o mito de o SNS ser um buraco sem fundo." 

Jamila, porém, não se ficou por aqui. Foi à cerimónia a Belém onde se concretizou a sua substituição (pelo seu camarada de partido António Lacerda Sales, que agora passou de número 3 do Ministério da Saúde para n.º 2) e à saída fez uma declaração aos jornalistas - sem responder a perguntas - onde puxou para si os galões de um suposto saneamento financeiro do SNS.

"Após este 
quase um ano de mandato nas funções de secretária de Estado adjunta e da Saúde, gostava de dizer que é com orgulho que saio num momento em que podemos dizer que terminou o mito de o SNS ser um buraco sem fundo", afirmou. 

Acrescentando que, "pela primeira vez", a meio de Setembro, "os números da conta do SNS demonstram a sua sustentabilidade [financeira], algo tão importante para os portugueses".

"Esse resultado só é possível com o investimento colocado pelo governo liderado pelo primeiro-ministro [António Costa] e com uma gestão criteriosa que foi desenvolvida durante este mandato", concluiu. Deixando, pelo meio, um aviso: "Volto para a Assembleia da República. O meu papel na vida política e partidária continua." 

Pandemia a crescer

O pior de tudo, porém, para este verdadeiro dia horribilis do primeiro-ministro, foram os números da pandemia.

Foi o pior registo desde 10 de abril (quando o país estava todo em quarentena e subordinado às regras apertadas do estado de emergência): 770 novos infectados e mais dez mortos (passando assim o número de vítimas mortais para 1888). 

A possibilidade de já se estar verdadeiramente numa segunda vaga - que assola outros países europeus - levou o gabinete do PM a anunciar, pelas 17.15, a convocação de emergência para esta sexta-feira de uma reunião do gabinete de crise do governo que trata das questões da pandemia. 

Uma fonte do gabinete do PM disse à Lusa que a reunião, que se iniciará às 11.30, na residência oficial do chefe do governo, surge na sequência do "contínuo aumento" de novos casos diários de infecção e pela necessidade de "reforçar a sensibilização dos cidadãos para a adopção de medidas de prevenção e de segurança contra a covid-19".

Do gabinete de crise, que se reuniu pela última vez em 29 de Junho, em São Bento, fazem parte os ministros Pedro Siza Vieira (Economia e da Transição Digital), Augusto Santos Silva (Negócios Estrangeiros), Mariana Vieira da Silva (Presidência), João Leão (Finanças), João Gomes Cravinho (Defesa), Eduardo Cabrita (Administração Interna), Ana Mendes Godinho (Trabalho, Solidariedade e Segurança Social), Tiago Brandão Rodrigues (Educação), Marta Temido (Saúde) e Pedro Nuno Santos (Infraestruturas e Habitação).

O Presidente da República já tinha prometido que queria falar com o PM sobre a questão benfiquista. A reunião entre os dois começou pouco depois das 18.00 - logo a seguir à tomada de posse dos novos secretários de Estado. Prolongou-se durante mais de uma hora, terminando, como habitualmente, sem declarações no fim. Como é norma sempre que vai a Belém para estas reuniões semanais, Costa entrou e saiu do palácio por uma porta lateral, fora portanto dos olhares dos jornalistas. Durante o dia todo, aliás, não fez uma única declaração pública.

O facto, porém, é que quando Costa chegou a Belém já não era da comissão de honra de Vieira - este havia-o "despedido". Não se sabe se o assunto chegou ou não a ser abordado com o Presidente. O que se sabe é que a pandemia está a crescer e terão de ser decretadas novas medidas - por exemplo: uma delegada de saúde pediu que o próximo 13 de Outubro em Fátima se faça sem peregrinos, como foi o 13 de Maio. Dificilmente, portanto, deixou de ser o tema principal da conversa.

sexta-feira, 28 de agosto de 2020

"invasão" marroquina

vídeo elucidativo, feito pelos próprios marroquinos na sua "viagem turística" (invasão?) para o Algarve e  Península Ibérica.

Com ar de gozo atiram ao mar os seus Bilhetes de Identidade, Cartões de Multibanco (também, em muitos casos, os telemóveis), isso para que as autoridades não possam, depois, identificar a sua nacionalidade e, dessa forma, obstaculizarem uma justa deportação para o seu país.

quinta-feira, 6 de agosto de 2020

Hiroshima versus Dresden

Dresden, 13 de Fevereiro de 1945.

Durante 14 horas, a aviação inglesa e norte-americana despejou 3300 toneladas de bombas-incendiárias sobre a cidade de Dresden, morrendo 500 mil civis alemães (um terço dos seus habitantes).
A cidade era o maior centro cultural do norte da Alemanha, não possuindo nenhuma instalação militar

quinta-feira, 30 de julho de 2020

"O Presidente passou a ser cúmplice do Governo"

Começa como uma conversa sobre o mais recente livro, "Salazar, Cunhal, Soares", vai terminar visitando toda a realidade de um país atordoado pela pandemia que ainda hesita entre a euforia e o pessimismo.

segunda-feira, 27 de julho de 2020

Salazar morreu faz 50 anos

Não vale a pena tapar a história com uma peneira e os putos e as chavalas que julgam ser possível apaga-la acabarão, em menos de uma ou duas décadas, por ter que viver com ela e esconder a sua! 
Aos mais esquecidos relembro o "concurso" "O Maior Português de Portugal"... 

sábado, 18 de julho de 2020

a previsão do Correio...


Um estudo inovador realizado por uma equipa de cientistas de dados de Singapura prevê que a pandemia possa terminar o seu ciclo de vida, a 100%, até Dezembro deste ano. O mesmo estudo dá ainda previsões, baseadas em estatísticas, de quando chegará ao fim a pandemia em cada país. 
No caso português, especificamente, o estudo da Universidade de Tecnologia e Design de Singapura, aponta que o surto chegue ao fim a 100% no dia 18 de Julho.
As previsões são apenas baseadas nos dados disponíveis até ao momento, por isso nada garante que correspondam com o que virá a acontecer no futuro, tal como salvaguarda o site onde estes dados estão disponíveis.
mas
"As previsões são incertas por natureza", lê-se no final das previsões.

sábado, 11 de julho de 2020

a caminho de nova Censura?

antes foi a Fátima Bonifácio...
“ …um “abaixo-assinado” aparecido no “Público” (onde havia de ser?) que, resumindo e concluindo, pede censoriamente a cabeça do investigador Riccardo Marchi por ter tido a ousadia de investigar e escrever sobre o partido Chega. A desculpa é a habitual nestas mentes formatadas no “espírito” da “engenharia de almas”, e do “homem novo”, que tantas graças deu ao mundo no eixo Berlim-Moscovo a partir dos anos 30 do século passado: combater o “fascismo” e o “racismo” com o fascismo e o racismo aprovados por eles.”  (in feiçebuque por João Gonçalves em 11Jul2020)

sexta-feira, 3 de julho de 2020

segunda-feira, 29 de junho de 2020

Alpedrinha !

menos uma prebenda
[...]
2. Arciprestado do Fundão-Penamacor Constituído pelas paróquias que integram as freguesias e uniões de freguesias dos concelhos do Fundão e de Penamacor, excetuando Vale da Senhora da Póvoa e Meimão; as paróquias de Louriçal do Campo, S. Vicente da Beira, Almaceda e Ninho do Açor, do antigo arciprestado de Alpedrinha e concelho de Castelo Branco, e S. Jorge da Beira e Aldeia de S. Francisco, do concelho da Covilhã. [...]

sábado, 27 de junho de 2020

Respeitemo-lo pois, e que se lhes amenize, quanto possível for, a tristeza de exílio


Gungunhana, rei de Gaza no sul de Moçambique, foi um grande resistente à penetração dos portugueses naquele território. Acabou por ser derrotado por Mouzinho de Albuquerque, em 1895, e transferido para Lisboa na companhia de outros prisioneiros. Depois de permanecerem algum tempo em Lisboa, foi decidido encaminhar quatro deles para a Terceira: o filho Godide, o tio Molungo e Matibejana, vulgo Zixaxa. Como não era permitida a poligamia, as sete mulheres de Gungunhana e as três de Zixaxa foram para Cabo Verde.
A 27 de Junho de 1896, chegaram a Angra do Heroísmo. Uma vez mais foram aguardados por numerosa multidão que os acompanhou ao Castelo de S. João Baptista. A imprensa local deu grande cobertura ao acontecimento e marcou o tom da relação a estabelecer com os prisioneiros: 
"Respeitemo-lo pois, e que se lhes amenize, quanto possível for, a tristeza de exílio".
Com o decorrer dos tempos, as medidas de segurança foram-se simplificando e os prisioneiros podiam passear à vontade pelo Monte Brasil e depois pela cidade. Os moçambicanos começaram, então, a relacionar-se com os terceirenses. E um jornal local tudo relatava: "Todas as manhãs, com um pincel de nervura de palmeira, na dimensão de dez centímetros, esfregavam os dentes no sentido vertical e enchiam a boca de água para a devida lavagem - projectando-a fora, em seguida, a jeito de esguicho, a ir cair à distância de vários metros. Procediam, ainda, numa operação que durava cerca de vinte minutos, à limpeza da língua, com uma espátula de cana".
Na cidade de Angra, foi moda durante algum tempo o chapéu com abas à Gungunhana, que as meninas usavam; no Teatro Angrense, foi representada uma opereta intitulada " Gungunhana nos Açores", escrita por um terceirense; um artista de circo ofereceu-lhes um espectáculo privado e especial com números do seu burro sábio.



Em 1899, foram baptizados e crismados, na Sé de Angra, em cerimónia revestida da maior solenidade e muito concorrida. Apadrinhados pela alta sociedade angrense, que se esforçou por lhes dar o estatuto de assimilados, passaram então a chamar-se: Reinaldo Frederico Gungunhana, António da Silva Pratas Godide, Roberto Frederico Zixaxa e José Frederico Molungo.

Em 1906, morreu Gungunhana com hemorragia cerebral, seguiu-se Godide em 1911 e o tio Molungo, um ano depois. Zixaxa ficou sozinho, com a profissão de guarda do Monte Brasil, até falecer em 1927, tendo deixado descendentes que ainda hoje vivem em Angra. (por Irene Maria F. Blayeree Lelia Pereira Nunes)

quarta-feira, 3 de junho de 2020

a Espanha preocupa-nos !


Esta na altura de começarmos a pensar nas medidas para conter a propagação do virus da extrema esquerda das Unidas com o Partido Socialista dos Trabalhadores Espanhóis