sábado, 31 de julho de 2010

Empresa? O que é isso?



DIZEM os livros que uma empresa é um conjunto de meios técnicos, humanos e financeiros, organizados com vista à concretização de um determinado fim económico (...)

O Governo de Portugal é constituído por um primeiro-ministro e mais 16 ministros. Nem um só trabalhou alguma vez numa empresa, participou em órgãos sociais (ou disso se orgulha), a ler pelos seus 17 curricula vitae. Como serão as suas reuniões quando falam sobre empresas e sobre elas decidem tudo e mais alguma coisa? Será que para eles o lucro é mau como quando anunciam os furiosos e rancorosos impostos sobre empresas de alguns sectores como o financeiro?

Esta minha descoberta deixou-me assustado. Mas ao desabafá-la logo um amigo me descansou: "- Está descansado, pá! Depois de saírem do Governo todos estarão enroscados nos respetivos lugares...". (...) por João Duque no sorumbático

sem sal...


A nova lei, que entra em vigor no dia 12 e Agosto, define um teor máximo de 1,4 gramas de sal por 100 gramas de pão, não contempla os cereais, «que contêm em média cinco vezes mais sal do que o pão». Sol

mais uma legislação de "pãozinhos sem sal" a favorecer as estrangeiriçes que nos querem impigir...

sexta-feira, 30 de julho de 2010

E O RESTO É CONVERSA


A decisão, tomada a 4 de Junho pelo vice-procurador-geral da República, Mário Dias Gomes, de ordenar o encerramento do inquérito ao caso Freeport até 25 de Julho comprometeu, segundo os magistrados Vítor Magalhães e Paes Faria, o apuramento cabal de todos os indícios e dúvidas em torno do licenciamento do centro comercial de Alcochete.
A ordem do vice-PGR – que terá tido em conta o facto de o segredo de justiça sobre o inquérito terminar a 27 de Julho – impediu que chegasse, em tempo útil, a resposta às cartas rogatórias enviadas para paraísos fiscais, sobre informação de várias contas bancárias.
Mas sobretudo, impossibilitou a inquirição de José Sócrates, que à data dos factos era ministro do Ambiente, e de Rui Gonçalves, seu ex--secretário de Estado. por joãoeduardoseverino em o
PAU PARA TODA A OBRA

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Não faz muito sentido


Vemos muita gente clamar uma vitória estrondosa pelo facto da Justiça não ter acusado Sócrates de nada. Vemos também alguns opinion makers (aqui e aqui) a defender que Sócrates merece um pedido de desculpas. Ambos acrescentam depois que a Justiça em Portugal funciona muito mal… Há qualquer coisa neste argumentário que não faz muito sentido, pois não? Aplaude-se e usa-se como fundamentação uma decisão judicial e depois acrescenta-se que a Justiça funciona mal?

Pode-se sempre esclarecer que, quando se critica o mau funcionamento da Justiça, aponta-se apenas a morosidade inacreditável dos processos e as cirúrgicas fugas de informação. Ou seja, criticam-se tais aspectos, mas confia-se no entanto na capacidade do sistema produzir Justiça. Humm… Mas esta não é mesma justiça que ilibou Isaltinos, Fátimas Felgueiras, Domingos Névoas e outros que tais?

Moral da história: como é evidente, pode-se e deve-se acreditar na inocência de Sócrates. Não haja dúvidas a este respeito. E é normal que o facto de não ter sido acusado de nada sirva para reforçar seriamente tal convicção. Mas utilizar como tira teimas uma decisão da Justiça portuguesa não é a melhor das estratégias.
Publicada por João Ricardo Vasconcelos no Activismo de Sofá

terça-feira, 27 de julho de 2010

uma "razão atendível"


...
o dr. Passos Coelho chegou ao palanque e, sem que dissesse "ai" nem "ui", caiu-lhe no colo o descontentamento contra o PS. Apesar de grande parte do que o PS tem feito levar o visto do PSD. Mas agora, o dr. Passos Coelho corre dois perigos: o primeiro é o de, havendo eleições, perdê-las, depois de ter tido o pássaro na mão; o segundo, é o que havendo eleições à vista, nem sequer lá chegar, porque o próprio PSD perceberá que tem uma "razão atendível" para o remover da liderança. João Paulo Guerra
...
ler mais no sorumbático

segunda-feira, 26 de julho de 2010

SNS é para manter 'bem vivo'

TAP AO FUNDO


Resistiu ao anterior regime, ao PREC, às crises dos anos 80, mas parece não ir resistir ao governo socialista.
Estamos a falar da TAP, companhia de aviação de bandeira e fundamental para um país de emigração e de coração de Lusofonia.
Se esta medida criminosa subsistir, pergunta-se: para quê construir-se um novo aeroporto, se a placa giratória passará a ser Madrid, Londres ou Frankfurt?
Com este governo não restará, definitivamente, em Portugal, pedra sobre pedra! Pedro Almeida Sande em
CAUSA VOSSA

RSI: um caso entre poucos...com muitos.


Numa sociedade doente e cheia de complexos como a Portuguesa, onde os pseudo-políticos que são ao mesmo tempo demagogos, tendem a tomar decisões que, não em grande parte concordem com elas mas que ficam bem concretiza-las e dão um ar de si que realmente não são... porem isso lança-nos outro problema o da representatividade do deputado no povo que o elegeu, pois todos nós sabemos que estas protecções especiais a estas pessoas “especiais” vão esbarrar contra a vontade do povo que todos nossos sabemos estão contra estas pessoas receberem tais ordenados pois não produzem nada para o País e só servem para atrapalhar muitas das vezes.
O porque de serem especiais? Talvez porque não paguem impostos, não estudem, vendam droga, conduzam carrinhas sem carta de condução, andem armados, paguem 3 euros de renda de casa, sejam conflituosos, e ai de quem diga que não!!!é capaz de ficar uma caçadeira de canos cerrados apontada a sua cabeça... penso que a palavra conflituosa esteja também no cerne da questão... eu tinha um professor que dizia que andávamos na escola para não andarmos a partir vidros na rua, aqui também me parece que esta super esmola seja um pouco também para isso, dar o dinheiro de mão beijada para que os problemas como roubos diminuam, ou vão me dizer que já viram alguma vez algum cigano a trabalhar na obra, no supermercado, no banco, no hospital em qualquer coisa que se lembrem para ganharem dinheiro, á excepção do que já todos sabemos...
Muitos jovens que andaram e andam a estudar na faculdade tinham e têm de pagar propinas para lá andar (faculdade do estado também), para se formarem e ajudar o País, embora o País não se queira ajudar a si mesmo, pois não aproveita estas pessoas formadas para nada, pois na verdade somos um pais de Padeiros e Calceteiros! mas isso é outra questão para outro artigo, Estava a falar que se paga muito dinheiro para estudar e agora andam ai uns apoios a ciganos para tirarem a 4º classe que não a tiraram na sua altura porque não quiseram ! Recebem o dinheirinho para irem fazer figura de corpo presente numa sala de aulas... a taxa de aprovação é de 100% pois não há nenhum professor que se atreva a reprova-los mesmo que lá não apareçam... pois a reprovação da direito á perda do subsídio dependência.
Aqui na escola perto da minha casinha as 19h da tarde os ciganos fazem fila junto a entrada da escola primária mas não é fila indiana, estão ali ao monte a espera de ordem de entrada com uma cara de quererem fugir dali como o diabo foge cruz, depois la vão fazer o frete e receberem o seu! O pior é nos finais dos anos lectivos em que os ciganos aparecem armados e a ameaçar os professores para os passarem, e esta questão passa-se com adultos e com crianças pois os pais vão fazer esperas e intimidar os professores... Como o nosso País esta a caminho da anarquia e não existe defesa para estas situações os professores la têm de passar esta gente para receberem mais um aninho de salários dos descontos dos portugueses que andaram a trabalhar. Mas estas intimidações não é só a professores, os técnicos da acção social também têm pesadelos com esta gente, pois não têm coragem de reprovar algo que seja pedido pelos ciganos, pois ate por terem filhos recebem dinheiro por cabeça...
Há uns tempos atrás o demagogo do PSD veio á televisão falar os tele-espectadores, (com C senão temos espetadores)...dizia esse toto, líder parlamentar do PSD (Paulo Rangel) que não se admitia que a policia com a ASAE fosse armada para as feiras, que estavam a tratar esses feirantes (ciganos) como se fossem isto e aquilo, agora pergunto eu, mas em que país o senhor vive? só uma pessoa completamente afastada da realidade do país diz uma coisa dessas, ou então está a falar do que realmente sabe e pensa mas tem vergonha de dizer porque não fica bem...você é mais um dos muitos que anda aqui a enganar-nos dia-a-dia sem vergonha na cara...
Um estudo realizado entre 2005 e 2007 por uma socióloga em comunidades ciganas de Aveiro revela que, o dinheiro das 58 famílias em estudo e que compõem esta comunidade, a grande maioria vinha proveniente do rendimento social de inserção (RSI) sendo a sua principal fonte de receita, e que apenas quatro afirmam ter um salário! Outra das conclusões reveladas foi que os ciganos não gostam de trabalhar para outras pessoas! agora digo eu, eles não gostam de trabalhar para outras pessoas, eles gostam é que os outros trabalhem para eles!
Ciganos e o subsidio-dependência


Alberto João Jardim


Ao intervir na festa anual dos social-democratas madeirenses, Alberto João Jardim declarou não admitir que a proposta de revisão constitucional aprovada na Assembleia Legislativa não tenha sido acolhida pelo PSD nacional.
Eu não admito que, não estando em causa a unidade nacional, sendo o PSD-M pela unidade nacional, querendo a Assembleia Legislativa da Madeira a unidade nacional, haja uns indivíduos, só porque estão em Lisboa, só porque estão lá metidos naquela política medíocre, se atrevam a negar aquilo que a Assembleia da Madeira determinou”.
Ou o PSD de Lisboa é solidário connosco ou, então, passem bem, muito obrigado, porque o nosso partido é a Madeira”.

Jardim disse também estar solidário com o povo português para mudar Portugal: ”É preciso vir para a rua, para as praças, fábricas e escolas exigirmos que Portugal tenha a mudança que todos os portugueses merecem”.
i online

domingo, 25 de julho de 2010

Día da Patria Galega


Miles de persoas reivindicaron hoxe nas rúas de Santiago de Compostela "orgullo de ser unha nación", durante a manifestación convocada pola BNG con motivo do Día da Patria Galega.

Baixo o lema "Fai valer a súa forza, o modelo non é o sector bancario: unha nova economía e atender a poboación de Galicia", a marcha, que comezou pouco despois das 12:15 da Alameda de Compostela, foi presidida polo portavoz nacional do BNG, Guillén Vázquez, que, xunto con outros líderes nacionalistas, que se realizou a bandeira co slogan curto.

Durante o paseo, os manifestantes de 20 000 segundo a organización, e entre 10.000 e 15.000 segundo a Policía ", proclamou frases como" En Galicia, ',' galego nós, galego, español galego nunca pasa. "

A marcha rematou na Praza de la Quintana, onde unha manifestación realizouse durante o cal intervieram o deputado se Teresa Guillerme Taboada e Vázquez.

Vázquez, que expresou o seu desexo de que a rexión se fará un "país seco, sen apelido" atacar o estado centralista ", que foi dado o historial de" problemas "da Comunidade Autónoma.
Galicia dixo que "só ten futuro" se obtén a real capacidade "para gobernar a si mesmos", engadindo que a rexión autónoma son "cumprirá" cando "decidir comportarse como unha nación."

O portavoz nacional do BNG acusou o presidente da Xunta, Alberto Núñez Feijoo, se o "problema" para atopar unha solución xusta "para a crise económica e que" o país pode camiñar para unha situación institucional que merece. "
No que se refire ao Estatuto de Cataluña, Vázquez congratula-se com a reacción do "pobo de Cataluña", para mostrar só despois de o Tribunal Constitucional, que declarou varias disposicións da norma e dixo que "a dignidade, a nación, autogoberno é igual ao benestar."

Na reunión tamén participaron o portavoz parlamentario do BNG, Carlos Aymerich, representante no Congreso Francisco Jorquera, e máis de 20 delegacións nacionais e internacionais de diversas organizacións políticas e representacións diplomáticas do parlamentaria Taboada Teresa agradeceu a súa presenza. traducido de la vanguardia

sábado, 24 de julho de 2010

portas, scuts e centrão


Paulo Portas considera que o caso das Scut é um "exemplo claro da incapacidade do centrão político - PS e PSD - para resolver uma questão que é grave para os contribuintes" e adiantou que "metade do aumento de impostos negociado entre o PS e o PSD no PEC II vai ser canalizado este ano para pagar as Scut".
Portas relembrou que, depois de muito questionado pelo CDS, o ministro das Obras Púbicas, António Mendonça, respondeu ao deputado Hélder Amaral que “as Scut custarão 540 milhões este ano aos contribuintes".
dn

É preciso ajudar o PSD


Segundo Paulo Portas, "o CDS vai tratar a revisão constitucional como uma questão de Estado e não como uma arma de arremesso", acusando PS e PSD de "estarem a usar o tema com bastante fingimento".
"O PSD usa a revisão constitucional para fingir que não tem um acordo com o Governo na política económica, fiscal e social. O PS usa-a para fingir que é o partido do Estado social".

O líder do CDS-PP lembrou que o seu partido foi o único a não assinar a Constituição de 1976, mas assegura que "fará propostas para melhorar" o actual texto. dn

“É preciso ajudar o PSD a rectificar o tiro na revisão constitucional”, afirmou considerando que “em tempo de crise não é justo falar em liberalizar o despedimento”, mas sim “flexibilizar a contratação”.
E também “não se deve assustar as pessoas, sobretudo as mais pobres, com o acesso à saúde”, disse, defendendo que “o que é preciso é que o Estado, que não consegue fazer tudo, contratualize com o sector social e o sector privado mais cirurgias, mais consultas, a mais doentes e mais depressa”. publico

quinta-feira, 22 de julho de 2010

MP acusa 'Sol' de pertubar investigação do 'Face Oculta'


Com a revelação das escutas telefónicas do processo "Face Oculta", o jornal Sol, dirigido por José António Saraiva, não prejudicou a investigação em curso mas perturbou-a. É esta a tese do Ministério Público, que acusou cinco jornalistas e a advogada do semanário pelo crime de violação do segredo de justiça devido às notícias publicadas sobre a tentativa da PT para comprar a TVI. DN
Os despachos do procurador-geral da República que continham referências aos conteúdos das gravações das comunicações telefónicas que envolviam o primeiro-ministro, José Sócrates, no âmbito do processo Face Oculta, foram destruídos anteontem, confirmou Pinto Monteiro ao PÚBLICO. Foi assim cumprida a decisão do presidente do Supremo Tribunal de Justiça.
publico

acabar com «balda» ?


O Estatuto do Aluno, que acaba com as provas de recuperação e volta a distinguir faltas justificadas e injustificadas, deverá ser aprovada hoje no Parlamento com os votos favoráveis de PS e CDS/PP.
Paulo Portas, manifestou-se satisfeito com a nova versão do diploma, sublinhando que fica valorizada a autoridade do professor, a exigência, a disciplina, a responsabilidade e o mérito.
O PSD considera que esta revisão do Estatuto do Aluno foi uma «oportunidade perdida» para se ir mais longe.
O Bloco de Esquerda e PCP classificam o diploma como um «código penal» e criticam a linguagem «autoritária» do texto.
Sol

segunda-feira, 19 de julho de 2010

CAVACO PERGUNTA?


Cavaco Silva está em Angola. Obviamente que nem se aproximará dos muceques onde residem milhares de angolanos quase a pão e água, não sentirá o trânsito caótico, não entrará num banco para levantar o seu dinheiro e ouvir uma resposta que dinheiro não há, não irá aos Serviços de Estrangeiros ouvir que o seu passaporte português desapareceu, não irá ao hospital verificar que nem uma perna quase decepada é tratada com urgência, não irá aos escritórios das empresas portuguesas que operam no país e constatar que os técnicos não têm possibilidade alguma de enviar os salários para a família e não verá com os seus olhos os guettos chineses que ocuparam toda a construção civil das obras estatais a troco de petróleo.Mas, o Presidente da República de Portugal tem conhecimento há muito que as empresas portuguesas são credoras de milhares de milhões de euros que Angola simplesmente não paga. Calote monumental, sem-vergonha de milhares de escusas para o pagamento devido enquanto a menina Isabelinha dos Santos compra tudo e mais alguma coisa em Portugal: bancos, empresas, tapadas, montes, propriedades, hotéis e um mundo de acções nas empresas públicas tais como a Galp. Contudo, o importante é que continuemos a baixar as calças... por João Severino em o PAU PARA TODA A OBRA

domingo, 18 de julho de 2010

Verão Quente ou Silly Season

PSD quer que Presidente possa demitir Primeiro Ministro
BE considera proposta do PSD como «manobra de diversão»
CDS considera «finamente irónica» a posição de Passos Coelho
Santana Lopes acusa Passos Coelho de «ignorância» face à história do partido
PSD acusa PS de ter comportamento «conservador e imobilista»

a força do PêCê...

O secretário geral do PCP considera que a proposta de Paulo Portas de pedir a demissão de José Sócrates e a formação de um novo governo «parece tola», mas tem «um fundo de verdade».
Na opinião do líder comunista, «a proposta do CDS-PP não é assim tão tola», mas «obviamente levanta-se um problema».
«Substituir o primeiro ministro, substituir os ministros, se calhar até não era mal feito, mas o grande problema é este: substituía-se esta gente e continuava a mesma política, ou seja, o problema central e principal está na política que está a ser realizada», salientou.
mais no Sol

sábado, 17 de julho de 2010

PM dessacralizado



A iniciativa política de Paulo Portas resultou. O líder do CDS/PP conseguiu retomar a agenda política após ter sido relegado para um plano secundário pelo tango entre os líderes do PS e do PSD. Ao interpretar o sentimento do cidadão comum, sugerindo a Sócrates para pedir para sair, Portas dessacralizou o primeiro-ministro, obrigando-o a uma (previsível) reacção típica de quem se agarra à cadeira do poder com todas as forças. posted by RCP em MAIS ACTUAL

Governo de cinco e Presidente de seis anos


pequena redução de ordenados aos membros dos gabinetes


A Assembleia da República aprovou o projecto de lei do CDS-PP para reduzir os vencimentos dos membros dos gabinetes do Governo, dos presidentes de Câmaras Municipais e Governadores Civis, com o PS a votar contra a proposta.
«Todos sabemos que a medida de corte dos salários dos políticos é mais simbólica do que proveitosa do ponto de vista da consolidação orçamental, mas a verdade é que deixar de fora o ‘staff’ político de apoio a esses cargos é passar uma mensagem errada», «um chefe de gabinete ou um adjunto são de nomeação política» e ajudam os titulares de cargos políticos «a exercer a sua função política».
«Que razão haverá para que fiquem de fora deste corte?», sustentou, no debate no Parlamento, a deputada democrata cristã Assunção Cristas. Sol

A redução dos vencimentos, identica á dos membros do governo e dos deputados, será de uns ridiculos 5%, mas d
e fora ficam os vários subsidios e prémios que devem ser aumentados em...5%.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Sócrates ou o optimismo


José Sócrates acha que vivemos no melhor de todos os mundos possíveis. E se parece que não vivemos no melhor dos mundos, ele sente a obrigação de provar que vivemos no melhor dos mundos possíveis, por ser essa a obrigação do político. O desemprego bate recordes? O País está sob vigilância internacional? Estamos a ser governados de fora? O FMI voltará? São cada vez menos os que estão dispostos a emprestar-nos dinheiro? Há cada vez mais famílias de classe média a baixar à miséria? A angústia geral supera a confiança no futuro? Somos obrigados a sacrifícios para curar a irresponsabilidade política de anos? Não faz mal, vivemos no melhor de todos os mundos possíveis. Há uma ligeira recuperação económica em 2010, portanto este mundo podia ser muito pior, dirá Sócrates (apontando a querida Grécia), queixando-se das excessivas atenções à estagnação prevista para 2011. Ele estranha que tão poucos atentem no facto, mais uma vez, indesmentível, de que vivemos no melhor de todos os mundos possíveis, mesmo que todas as desgraças e injustiças do mundo nos caiam na cabeça. "Não há efeito sem causa", dirá Sócrates, culpando a crise internacional e a especulação financeira. Mas descansai, bom povo: "Está demonstrado que as coisas não podem ser de outra forma: pois tudo tendo sido feito para um fim determinado, tudo se dirige para o melhor dos fins", citará Sócrates, recordando um filósofo que lhe convém, mas que morreu a acreditar nisso, enforcado no Terreiro do Paço, sobrevivendo porque o enforcaram mal e assim este é o melhor dos mundos possíveis. por Vìtor Matos em o Elevador da Bica

quinta-feira, 15 de julho de 2010

o estado em que se encontra a Nação...


«Num contexto de equilíbrio difícil, entre a questão orçamental e a promoção do crescimento económico e da justiça social, creio que o Governo está a fazer o seu caminho, que é duro, exigente, mas está a ser percorrido», avança Francisco Assis do PS.
«O Governo e o PS nos últimos dias mais não têm feito do que se irem entretendo em comentar as orientações estratégicas do principal partido da oposição. Achamos que isso é relevante no debate e acção política, mas ao Governo pede-se hoje que governe, que apresente soluções e caminhos que de uma vez por todas possam resolver os atrasos estruturais que desembocaram nesta situação», afirma Luís Montenegro, do PSD,
«Temos hoje uma situação no país de grave crise económica e social que é no fundamental uma consequência das políticas que têm sido seguidas nos últimos anos, por este Governo em particular, que o Governo e o PSD pretende agravar», defende Bernardino Soares, do PCP,
«É um estado de profundo desânimo por parte da generalidade das pessoas, de profundo desencantamento, de angústia com as suas vidas, a cada dia que passa acrescentam-se medidas de austeridade e tudo isto está a acontecer a quem tem vidas mais castigadas. Portanto, é um estado da Nação deprimido», adianta José Manuel Pureza, do Bloco de Esquerda.
«Confirma-se tudo o que o CDS tinha dito, uma política assente em aumento de impostos é uma política que não estimula o crescimento, não estimula a economia e não estimula a criação de emprego, pior podemos estar a breve trecho quase a estagnar ou em recessão face a esta política», assegura Pedro Mota Soares, do CDS.

O que pensa a Nação sobre o estado em que se encontra?
Um belíssimo texto da TSF responde á questão:
Na lota de Matosinhos, o repórter Rui Tukayana registou palavras de resignação de quem está habituado a apertar o cinto, mas também há quem considere que o país bateu no fundo.
Em Lisboa, junto à Assembleia da República, a repórter Joana de Sousa Dias, ouviu portugueses pessimistas e há quem já nem sequer saiba se é melhor rir ou chorar.
Em Guimarães, Dalila Monteiro registou também as queixas de quem se debate com a crise e não ouviu uma única voz a favor do primeiro-ministro José Sócrates.
No Algarve, entre os portugueses que estão a banhos, não há quem não tenha sentido dificuldades. A repórter Maria Augusta Casaca registou muitas queixas, mesmo que as medidas de austeridade não tenham acabado com os habituais dias de praia no sol algarvio. TSF

«Estamos a brincar com o lume. Portugal está completamente endividado, ao nível do Governo, das empresas e privados» …
«As pessoas não querem fazer os sacrifícios necessários» e todo o processo «foi mal conduzido nos últimos tempos».
Uma das soluções para Portugal sair da actual crise passa por «nacionalizar tudo e começar tudo de novo». Joe Berardo no
Sol


… e o ainda governo aguarda que, no final do mês, encerre a Assembleia para governar como se fosse de maioria absoluta.

CCUT's. A luta continua.

A Comissão de utentes das SCUT do Grande Porto, que tem novo protesto marcado para logo à tarde, continua a exigir que a cobrança de portagens não avance, mas o porta-voz, Gonçalo Oliveira, não deixa de acolher com satisfação a notícia de um provável adiamento.
O PSD propôs na quarta-feira à noite, na Comissão de Obras Públicas, que a cobrança de portagens em três das sete autoestradas até agora sem custos para o utilizador (SCUT) -- do Grande Porto, Norte Litoral e Costa de Prata - só comece 30 dias depois de entrar em vigor um novo decreto-lei a aprovar entretanto pelo Governo.
TSF

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Contentores revogados...

O Presidente da República promulgou a revogação do decreto lei que previa a prorrogação do contrato de concessão do Terminal de Contentores de Alcântara. Lusa

domingo, 11 de julho de 2010

Portas fechadas...


Paulo Portas, afirmou qu o Governo e «aparentemente o PSD» se preparam para «sacar» a partir do próximo ano mil milhões de euros no âmbito do Código Contributivo. Não estamos a falar de um aumento pequeno. É que eles - PS e aparentemente PSD - além de quererem dois aumentos do IRS em seis meses, preparam-se para sacar mil milhões de euros de aumento de contribuições nos próximos três anos», referiu Portas que exortou o Primeiro-ministro a fazer cortes na despesa do Estado, exemplificando com «a legião de administradores e assessorias que têm os gabinetes, as administrações e o Governo». Sol
Entretanto uma investigação do Expresso revelou que Pinto de Sousa quis mesmo um acordo de Governo com o CDS e fez uma última abordagem a Paulo Portas em Fevereiro, apesar de as relações entre ambos já estarem, na altura, deterioradas, por causa das negociações falhadas sobre o Orçamento.
A consciência de que vinham aí tempos difíceis e a iminência de uma nova liderança do PSD levaram Sócrates a uma última tentativa, em que desafiou Portas a ir para o Governo e para a pasta dos Negócios Estrangeiros.
mais no Expresso

Portas recusou aquela aliança e percebe-se porquê.

Mas esta semana várias figuras, Miranda Calha e José Vera Jardim, dentro do próprio PS, trouxeram de volta a tese de que é urgente um entendimento partidário à direita.
Com a pressão para um acordo a aumentar e o deteriorar das relações com o PSD, Pinto De Sousa, não desistiu.

O "cortejar" do ainda primeiro-ministro ao CDS persistiu.
Correm rumores de que novo encontro terá acontecido na última semana, em casa de Proença de Carvalho, outro que recentemente defendeu a necessidade de acordos partidários. dn

O CDS desmente tal encontro...e o Verão só agora começou a aquecer!
Os mais velhos, que viveram o outro, sabem que tudo acontece em Novembro.

sábado, 10 de julho de 2010

Lido no ABC do PPM


As sondagens têm sido benévolas com os primeiros cem dias de Passos Coelho, uma fatalidade que obrigou o eng. Sócrates a encontrar um novo slogan: contra o ‘neoliberalismo’, marchar, marchar. A palavra serve para tudo. Serve para vergastar Bruxelas pelo chumbo ao chumbo do negócio PT-Telefónica. Serve para acusar o líder da Oposição de se ‘ajoelhar’ (olé!) perante os interesses dos espanhóis. Serve para demonizar o PSD por pretender desfigurar a Constituição e enterrar o Estado Social. E até serviria, se alguém se lembrasse disso, para criticar o S. Pedro por este calor que nos derrete. post de Paulo Pinto Mascarenhas no ABC do PPM

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Gravadores furtados foram restituídos


Os gravadores furtados pelo deputado do PS Ricardo Rodrigues, durante uma entrevista na Assembleia da República, foram esta tarde devolvidos à jornalista da "Sábado".
Esta tarde, no DIAP, Maria Henrique Espada, proprietária dos gravadores, verificou, diante do procurador do Ministério Público, se faltava algum registo áudio, tendo concluído que nada terá sido eliminado.

No DIAP prosseguem as diligências resultantes das queixas apresentadas pela Sábado contra Ricardo Rodrigues: furto, atentado à liberdade de imprensa e liberdade de informação.

trapalhadas na Cultura... agora a culpa é do BE.


A ministra, que saiu do plenário visivelmente irritada com a bancada bloquista (a deputada Catarina Martins aproveitou para questionar Canavilhas sobre os cortes para os contratos já assinados e a ausência de resposta à recomendação do Parlamento para suspender o projecto do novo Museu dos Coches), desvalorizou ainda as alegações dos agentes culturais sobre as consequências das medidas.
“Quero que me provem que reduções deste nível significam despedimentos. Estou absolutamente convencida de que isso não é verdade”, afirmou.
Gabriela Canavilhas afirmou que a redução dos cortes para a cultura não vai apaziguar a contestação dos agentes culturais. “Há um aproveitamento político, muito liderado pelo Bloco de Esquerda”, acusou.

Canavilhas disse ainda que foi por iniciativa do primeiro-ministro que o Ministério da Cultura, em articulação com o Ministério das Finanças, definiu a descativação de 7,5 por cento das verbas do PIDDAC. E informou que o anúncio não foi feito mais cedo porque “o Governo achou que não era conveniente”.


Quem te manda a ti sapateira, tocar rabecão...
ou
esta gente só sabe governar em ditadura, isto é, em democracia de maioria absoluta.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

e já não há "Red Bull Air Race"


A Red Bull Air Race confirmou hoje o cancelamento da prova que se ia realizar em Setembro, no Douro, devido ao “inesperado atraso no processo que tinha como objectivo alcançar um novo acordo para o destino da corrida”.
“A organização considera que se esgotou a margem de tempo necessária para colocar de pé um evento desta complexidade, dimensão e qualidade - características a que se habituaram, ao longo dos anos, os incontáveis fãs que a modalidade conta em Portugal”, afirmou a Red Bull Air Race, em comunicado.
i online

O deputado José Ribeiro e Castro (CDS/PP), eleito pelo distrito do Porto, responsabiliza “o PS e o Turismo de Portugal pelo cancelamento da prova" e exigiu explicações do presidente do Instituto do Turismo de Portugal.
“Responsabilizamos o PS e o Turismo de Portugal por este desfecho que não é surpreendente. Houve uma manobra obscura, cujos contornos que precisam de ser esclarecidos, de tentativa de transferência da prova para Lisboa”.

Mais uma trapalhada...

terça-feira, 6 de julho de 2010

apostar na tripla...

Pedro Passos Coelho, em Espanha, comentou as declarações de José Sócrates que considerou haver, em Portugal, quem queira «apostar na tripla», numa referência implícita sobre a postura do PSD quanto ao uso da “golden share” no negócio PT-Telefonica.
«Se o primeiro-ministro discorda da minha posição pode referi-la directamente, não precisa de fazer parábolas para dizer que discorda do presidente do PSD. O presidente do PSD discorda do primeiro-ministro nesta matéria porque sempre assumiu que seria mau para Portugal que Portugal fosse visto com um país que protege excessivamente a economia».
«Precisamos de reformar o mercado para não ter um mercado em Portugal tão protegido como temos. Isso faz mal à economia, faz mal aos investidores e aos portugueses, que tem que pagar mais caro o que poderiam pagar mais barato se tivessem mais concorrência», disse PPC.
sol

Passos Coelho, presidente do PSD português, que hoje discutiu o tema com Mariano Rajoy, líder do Partido Popular espanhol, diz que sempre considerou que a participação da PT na Vivo era importante, mas relembrou que a decisão de vender essa participação foi tomada pelos accionistas, «maioritariamente portugueses».
Até parece que quis dar razão ao líder do PS português...

segunda-feira, 5 de julho de 2010

um bairro calmo.... com petardos.


Novos incidentes foram registados este domingo de madrugada no Bairro do Asilo, no Monte da Caparica, em Almada.
Uma patrulha da GNR enviada ao local detectou «ajuntamentos significativos», com mais de 50 pessoas.
Pelas 2h30 foi disparado um «very ligth» em direcção à patrulha e pouco depois ocorreram dois rebentamentos de petardos e a explosão de uma bomba artesanal.
Parece que é uma situação normal em noites quentes (e também nas frias).

A técnica seguida é sempre a mesma: Uns “jovens” fazem barulho. Outros “jovens” queixam-se á policia. Quando a policia chega e é recebida com petardos, pedras e outros “brinquedos”.
Só para matar o tempo em noite de calor, dirão os “do costume”!

O jornalismo da silly escreve que alguns habitantes do bairro criticam a atitude da polícia e consideram que é a intolerância das forças policiais que gera a revolta dos moradores.
Uma moradora que preferiu não ser identificada afirmou à Lusa que «a atitude da polícia está a fazer o bairro pior do que o que ele é. Vivo no bairro há 14 anos, estes incidentes não são normais. Este é um bairro calmo», sustentou.

sábado, 3 de julho de 2010

as trapalhadas no emprego e no crescimento


O ainda primeiro-ministro questionou esta terça-feira a metodologia do Eurostat, que indica um aumento do desemprego para o valor recorde de 10,8%, e afirmou que o Verão vai confirmar a inversão da tendência, não devido à sazonalidade, mas por causa do «crescimento económico». «A verdade – explicou - é que só o crescimento económico fará reduzir o desemprego. O crescimento económico no primeiro trimestre foi já uma indicação de que o desemprego possa declinar nos meses de verão em Portugal e tenho fundada convicção de que isso pode acontecer». Sol
mas
O ainda Governo acaba de rever as suas previsões para os próximos anos. No Relatório de Orientação da Política Orçamental, divulgado esta sexta-feira ao fim do dia, o executivo prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 0,7% este ano, tal como previa já no Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC), mas para 2011 aponta para uma expansão económica de apenas 0,5%.
agencia financeira

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Baralha e volta a dar


De acordo com o ministro Pedro Silva Pereira, a Telefónica deveria ter comunicado ao Governo português a intenção de comprar a Vivo, um activo (e que activo da PT!). Pois, o mesmo Governo, através de ministros, do primeiro-ministro e, já agora, do partido que o apoia, jura que a PT não deveria ter comunicado nada ao executivo sobre a intenção de comprar um activo chamado TVI. Confusos? Também eu.
publicada por Emídio Fernando no Correio Preto

quinta-feira, 1 de julho de 2010

e tudo acabou na Quarta-Feira.

A agência de notação financeira Moody's considerou hoje que o uso da 'golden share' pelo Estado português em resposta à oferta da Telefónica pela participação da PT na Vivo "tem um impacto neutro" sobre o 'rating' da operadora portuguesa.
Já a agência de notação Fitch considerou que é ainda demasiado prematuro para ter uma ideia sobre se os desenvolvimentos de Quarta-Feira terão impacto na notação financeira da operadora portuguesa.
Lusa

O Tribunal de Justiça da União Europeia pronuncia-se a 08 de Julho, Quarta-Feira, sobre a legalidade dos direitos especiais (‘golden share’) do Estado na Portugal Telecom (PT) face às leis europeias.
sol

Aquele tribunal tem actualmente processos a correr contra Portugal, Itália, Grécia e Polónia por estes países deterem 'golden shares' em diversas empresas, apurou a Agência Lusa junto de fontes comunitárias. Portugal é, no entanto, o país com mais casos naquele tribunal, já que, além da PT, também correm processos contra a ‘golden share’ detida pelo Estado na EDP e na Galp Energia.
Em 2003, o Tribunal de Justiça deu razão à Comissão, considerando ilegais os direitos especiais detidos por Madrid na Repsol, Telefónica, Argentaria, Tabacarela e Endesa, tendo a Espanha acatado a decisão três anos depois, em 2006.
Outros processos levaram ao fim de ‘golden shares’ em empresas como a alemã Volkswagen, a britânica British Airways e a holandesa KPN.

Ninguém atropelou os direitos dos accionistas


A PT é uma empresa muito importante para o País. E a participação da PT na Vivo é um activo estratégico de sucesso no mercado brasileiro - é mesmo a empresa de telecomunicações nº 1 no Brasil. Sucede que a internacionalização da PT e a sua presença no Brasil é absolutamente fundamental para a economia portuguesa.
Eu compreendo, por isso, muito bem o interesse dos espanhóis da Telefónica em comprar uma empresa tão boa como a Vivo, tal como compreendo os interesses financeiros dos accionistas da PT em obterem ganhos de curto prazo.
Mas ao Estado Português não compete defender os interesses das empresas espanholas, nem interesses financeiros de curto prazo - mas sim os interesses estratégicos do País. E a verdade é que esta proposta não convenceu o Estado, não convenceu o Governo.
Ninguém atropelou os direitos legítimos e até compreensíveis de outros accionistas. O Estado limitou-se a não permitir que os seus interesses fossem desconsiderados e ignorados e afirmou-os no quadro dos estatutos da empresa que sempre foram reconhecidos por todos os accionistas.
Ora o Governo - pelo menos este Governo - não abdica de nenhum instrumento disponível para defender os interesses estratégicos de Portugal. Se alguém não sabia disso, agora ficou a saber.
Jose Socrates C Pinto de Sousa no Economia do PUBLICO

Custa-me que esta bazófia se acabe na Quarta-Feira... como o Carnaval no Brasil da Vivo!

a história não a absolverá

No livro A Escola Pública pode fazer a Diferença, Maria de Lurdes Rodrigues, a antiga ministra da Educação não quer fazer um «exercício de reflexão nem de queixume», já que, «apesar de ser uma descrição do que foi feito num passado recente está muito projectado para o futuro». tsf

video