segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

"convulsão social" também em ANGOLA?


A Associação Namibiana NamRights, uma organização de defesa dos direitos humanos na região da SADC, está profundamente perturbado com as notícias divulgadas pela mídia que as autoridades angolanas têm a intenção de reprimir um movimento pró-democracia emergente nessa nação ao sul de Africa.
Protestos pró-democracia estão previstos para começar em 07 Março de 2011 em Luanda, a capital. Relatos da mídia indicam que ativistas pró-democracia de Angola vao começar o que chamam de "marcha contra o governo ditatorial de José Eduardo dos Santos".
A
NamRights está, especificamente, alarmada pelo facto de que pelo menos dois governantes do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), foram mencionados na mídia internacional fazendo uma ameaças como a tomada de "medidas sérias contra qualquer um que busca poder através de protestos". No Domingo, 20 de Fevereiro de 2011, o secretário-geral do MPLA, Julião Mateus Paulo "Dino Matross", na rádio estatal, avisou os manifestantes pró-democracia "para não confundir o que está acontecendo no Norte de África com a realidade de Angola" e ameaçou que "sérias medidas podem ser tomadas, porque o poder não pode estar na rua".
Segundo a imprensa internacional relata os protestos foram promovidos por dois sites da Internet (http://www.novarevolucaoangolana.yolasite.com/ e http://www.revolucaoangolana.webs.com/), onde um militante pró-democracia, sob o pseudónimo de Jonas Roberto Agostinho dos Santos, convocou os angolanos para a "marcha com cartazes exigindo a saída de Zé Du (como tem se referido ao Presidente José Eduardo dos Santos), seus ministros e seus amigos corruptos". mais»»

alerta para possível "convulsão social"


Mário Mendes acredita que se aproxima uma "convulsão social", não apenas "provocada pela crise financeira mas também pela crise social". Uma "preocupação" que disse ser "resultado da observação dos fenómenos que vão ocorrendo".
"Desejo que os responsáveis políticos compreendam que a questão da segurança é uma preocupação muito grande dos portugueses", afirmou ainda o Juiz Conselheiro que cessou esta segunda-feira, 28 Fev, funções enquanto Secretário-Geral do Sistema de Segurança Interna.

uma má noticia vinda do BE...


A moção de censura do BE continua a fazer estragos... mas dentro do próprio Bloco.
Luís Fazenda, que com Louçã e Portas é um dos três homens fortes do partido, não gostou das críticas de Daniel Oliveira à moção e, em artigo de opinião no portal do BE, desafiou o militante histórico a ir ao congresso confrontar a liderança.
O desafiado quis responder naquele portal, o esquerda.net, mas o secretariado do partido não deixou. Oliveira queixa-se de discriminação porque só o deixaram colocar a réplica no site bloco.org, de informação interna e com audiência mais restrita.
ler mais AQUI

sem dúvida uma boa noticia para o Partido Socialista, onde, possivelmente e em breve, veremos o comentador Daniel Oliveira...
uma má noticia para a nossa democracia!

domingo, 27 de fevereiro de 2011

O tiro pela culatra


Como ainda há dias se viu com a divulgação a conta-gotas dos dados da execução orçamental de Janeiro, o Governo continua a usar técnicas publicitárias para transmitir imagens positivas de insucessos ou de resultados medíocres. Ainda não se terá dado conta de que essa sua tendência propagandística tem efeitos contrários aos pretendidos: agrava a desconfi ança, em vez de a diminuir.
Aumenta a desconfiança interna, com os portugueses a serem os mais pessimistas na Europa quanto às perspectivas económicas.
E aumenta a desconfi ança externa, com os credores a exigirem juros cada vez mais altos para comprarem a nossa dívida. Juros que atingem, já, um nível incomportável se rapidamente não baixarem.
Ou seja, o tiro propagandístico do Governo está a sair-lhe pela culatra – mas seremos nós a pagar a asneira.
Quando o grau de optimismo que Sócrates e os seus colaboradores manifestam é tão exuberantemente desmentido pela realidade, a consequência apenas pode ser uma: os portugueses e os mercados deixam pura e simplesmente de acreditar no Governo.
por Francisco Sarsfield Cabral no Pagina 1

não é girl...


Alda Borges Coelho (Administradora da ANA) - 109.486 euros
Passou automaticamente de directora da Federação Portuguesa de Rugby para vogal do Conselho de Administração da ANA, Aeroportos de Portugal. No currículo, tem uma particularidade: foi colega do secretário de Estado das Obras Públicas Paulo Campos na Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa.
Além do râguebi, Alda Coelho tem experiência em supermercados (Feira Nova e Jerónimo Martins) e na área do retalho (Gestiretalho).

o verdadeiro artista


Como já se temia, Barack Obama não é apenas uma fraude na política interna dos EUA, mas também o é na condução da política internacional do país a que infelizmente preside. Na crise dos países islâmicos do Norte de África, Obama não poderia ter um comportamento mais execrável do que tem tido. Fez figura de valentaço no Egipto, onde os «padrões da decência humana» estiveram longe de ser maltratados como o estão a ser agora na Líbia, e meteu o dito cujo entre as pernas neste último país, perante os continuados massacres de milhares de pessoas às mãos de um psicopata. Na Líbia, onde, ao contrário do Egipto, os mortos não param de cair, Obama não se atreveu sequer a pedir a demissão de Kadhafi. Limitou-se a anunciar «sanções»: o encerramento da embaixada americana em Tripoli, por agora. Quanto ao resto, escuda-se atrás da comunidade internacional e da ONU, a quem exigiu «responsabilidades partilhadas» no fim da selvajaria. Entretanto, os cadáveres continuam a amontoar-se e Kadhafi permanece no poder. Parabéns ao artista. escrito por rui a. no BLASFÉMIAS

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

aviso aos jornalistas da TVI...



não é boy!


Sustitui, na SIC Noticias, Henrique Medina Carreira e tem sempre o “copo meio-cheio”!

Apesar da sua ligação ao PS, do seu currículo no Estado, de o Governo ter criado um órgão nos CTT para que ele pudesse ocupar depois de deixar a presidência da empresa, recusa ser considerado um 'boy'.
O primeiro cargo próximo do poder que Luís Nazaré desempenhou foi em 1995 como assessor de António Guterres para as áreas da indústria, comércio e turismo. Antes, estivera seis anos em França na Eutelsat, uma organização intergovernamental europeia de gestão de satélites.
De 1998 a 2002, foi presidente da Anacom, por nomeação do PS. Nesse ano pertenceu à direcção de Ferro Rodrigues no partido. E em 2005 foi escolhido por Sócrates para liderar a administração dos CTT, mas só quis fazer um mandato: "Quando saí, o Estado fez muita questão de criar um novo órgão que eu acompanhasse, por uma questão de continuidade", explica.
Chama-se Comité de Estratégia e foi formado propositadamente depois da saída de Nazaré. No último ano teve como actividades 23 reuniões, menos de duas por mês. E por essas reuniões, Luís Nazaré recebeu 3.500 euros vezes 14 meses. Ao mesmo tempo, é consultor da Deloitte, uma multinacional à qual os CTT encomendaram um plano de reestruturação da empresa.

RTP confirma saída de José Alberto Carvalho e Judite de Sousa


ainda falta um...

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

A PROPÓSITO DOS SALÁRIOS ESCANDALOSOS NA RTP: O QUE PENSA O PAÍS


«Como se vê, o país não está em crise económica, está é em crise severa e gravíssima de moralidade, de vergonha, de sentido de justiça, de solidariedade, que confunde com caridadezinha, de ganância, de mentira, de fuga ao fisco, de estúpida mania de superioridade de quem detém o poder seja ele económico ou político. O que confrange é que todos se manifestam contra estes abusos escandalosos mas a grande maioria não manifesta vontade de mudar o sentido de voto, querem é que o partido de que são adeptos mude de política. Mas isto não é futebol, isto é política e é desta e nesta que é decidida uma maior ou menor justiça social, maior ou menor roubalheira, maior ou menor transparência das contas públicas, das empresas do Estado e das empresas privadas. Se não houver mudança de política, tudo mudará para ficar tudo na mesma. Seremos burros ou cegos» por (c) P.A.S. no Causa Vossa

Eficiência energética


EDP Renováveis - Pode a casa-mãe tirar a Renováveis da bolsa?

Jorge González Sodornil, analista do Sabadell, diz: "não podemos descartar um potencial 'buyout' da EDP Renováveis [por parte da EDP]". A empresa portuguesa "está a negociar bem abaixo do valor dos seus activos, o que supõe que a EDP pode comprá-la abaixo do custo de investimento", refere ao Negócios.

Com a explosão da bolha das dívidas soberanas, a reconversão energética alimentada por impostos está condenada. O caminho já não é produzir mais, ainda que diferente, mas produzir menos, desperdiçar menos, e consumir racionalmente. É inevitável uma concentração europeia das empresas estratégicas, sob forte supervisão de Bruxelas. A EDP, tal como muitas outras empresas que viveram à sombra do endividamento bolsista especulativo e de subsídios governamentais oportunistas, está condenada. A propaganda e os road shows de António Mexia parecem-se cada vez mais com as deambulações frenéticas do peripatético Sócrates. Dois em um para despachar quanto antes!
E já agora sobre o carro eléctrico: já imaginaram uma bicha de carros junto dum desses carregadores de baterias com que o governo mitómano de Sócrates salpicou o país, para telejornal obediente ver?
Autocarro a baterias?! Esta gente desmiolada não sabe o que é um
Trolleybus? Não se lembram deles no Porto e em Coimbra? E que tal por ou repor as linhas de Eléctrico e de Trolley nas principais urbes do país: Grande Lisboa, Grande Porto, Coimbra, Setúbal e Braga? E que tal criar corredores para bicicletas em todas estas cidades? E que tal criar uma linha de crédito para compra de bicicletas urbanas? As nossas universidades deixaram de pensar livremente, e pensam, pelos vistos, o que lhe pagam para "estudar" e "pensar"! n’ o Antonio Maria

um aviso sério que este notável blog nos proporciona. Mas quem é que lê estas coisas? Entre novelas e futebóis não há tempo.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Reféns da clientela


O populismo é geralmente mau conselheiro em momentos de crise. E o ataque cerrado a todos os que ganham mais, como se aí estivesse a origem de todas as desgraças, é apenas um dos seus mais generalizados sintomas.
Contudo, a aliança entre PS e PSD contra qualquer iniciativa parlamentar para introduzir limites de razoabilidade à remuneração de gestores públicos não pode ser vista como saudável recusa liminar do populismo. É, tão só, o refl exo de como os dois partidos do “centrão” estão literalmente reféns da sua rede clientelar.
Argumentar com a necessidade de “atrair os melhores num mercado concorrencial” quando se trata, sobretudo e/ou quase sempre, de remunerar boys recrutados para gerir empresas que agem em monopólio (ou quase!) ou, simplesmente, se afundam em prejuízos não é mais do que tentar tapar o sol com a peneira.
E se o argumento vale para as empresas, como não aplicá-lo a gestores da própria administração, todos eles forçados a cortes radicais dos respectivos salários?
Se dúvidas existissem sobre a bondade da argumentação, ela fi cou, ontem, bem à vista, em mais um exemplo do descalabro de gestão do sector empresarial do Estado. Ficámos a saber pela Comunicação Social que na Rede Eléctrica Nacional, uma das tais empresas públicas a reclamar excelência de gestão, foram, nos últimos tempos, “contratados” oito novos directores. Alguns já este mês e com remuneração superior à do Presidente da República. Pagos com os nossos impostos. Ao mesmo tempo que os trabalhadores, que denunciavam a situação, reduziram os seus salários.
Os mercados também sabem estas pequenas histórias e sabem que, neste momento, o que se impunha era uma solução à espanhola, com uma drástica redução dos quadros dirigentes do sector público e respectivas remunerações.
Graça Franco no
Pagina 1

era uma vez… numa cadeia portuguesa


Foi em Setembro de 2010. As imagens em vídeo chegaram ao Jornal Público. Antes tinham acompanhado uma carta anónima ao Director Geral dos Serviços Prisionais, ao Ministério Público e ao Ministro da Justiça.
Foram abertos dois processos ainda sem resultados.

Lembram-se das sevícias dos soldados americanos a prisioneiros iranianos?

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

replicar o mundo arabe em Angola?


Ninguém sabe quem convocou a manifestação para 7 de Março em Luanda. Ou ninguém quer dizer quem convocou uma manifestação para 7 de Março em Luanda. E ninguém sabe se haverá mesmo manifestação em Luanda a 7 de Março.
O certo é que toda a gente com acesso à internet em Angola parece ter conhecimento da sua existência e há até mesmo quem esteja a analisar a possibilidade de aderir.
Há inquietação entre os portugueses que vivem na cidade e o facto de o serviço de internet estar interrompido há dois dias por causa de uma avaria serviu para aumentar os rumores e dar maior credibilidade à convocatória. ler mais aqui

recorde-se que Jose Eduardo dos Santos está no poder desde 1979...há quase 32 anos!

Derrubar ou não, a escolha é simples


Como recorda o João Miranda, no blasfémias, por altura da aprovação do OE 2011 as taxas andavam pelos 6% e a sua não aprovação, diziam as pessoas com elevado sentido de responsabilidade, poderia ser mal entendida pelos mercados. Pois.
Neste momento as taxas já quebraram a resistência dos 7% (e se não fosse o telefonema para Frankfurt já andariam a rondar o 8%). Parece que agora não poderemos derrubar o governo pois
“nada podia ser mais trágico para o financiamento da República nos mercados internacionais”. Novamente a mesma história. Não sabem muito bem o que os “mercados” acham da nossa capacidade de endivididamento.
O Prof. Álvaro Santos Pereira apresenta
6 excelentes razões para derrubar o governo.
Em alternativa podemos continuar a fingir que é a instabilidade política que nós vai levar à bancarrota.
n'
O Intermitente (reconstruido)

Para quem ainda náo percebeu...



O gráfico elaborado por um economista do BofA não deixa margem para dúvidas. Salvo qualquer alteração radical e que produza efeitos imediatos, o nosso destino parece traçado. E não serão declarações costaspinicas que irão alterar esta realidade. por Miguel Noronha em O Cachimbo de Magritte

não há descontrolo orçamental, diz Metelo


Para o madrileno jornalista e comentador da TVI, António Perez Metelo, não há descontrolo das contas públicas e defende que «estamos a fazer o que nos comprometemos a fazer».«Neste ano, aquilo que está acordado com a Comissão Europeia, e portanto está validado, é que a redução se faz quase integralmente pelo lado da receita», explicou vai para uma semana.Por isso, «não há surpresa nenhuma em a despesa ser maior», adiantou, referindo-se aos dados da execução orçamental referente a Agosto. no reVISÕES em 30 de Setembro de 2010

Hoje Metelo falou, na manhã da TSF, sobre a brilhante execução orçamental de Janeiro!

domingo, 20 de fevereiro de 2011

está tudo doido?


O comentador Joe Berardo diz que Portugal vive uma “democracia podre” e defende ser necessário “mudar o sistema político”, nem que seja com “um novo género de ditadura que todos temos de aprender” e disse estar “muito preocupado com o aumento do custo de vida em Portugal” e elegeu o desemprego entre os jovens como “o problema mais grave a nível mundial” porque “vai resultar em revoluções”, como as da Tunísia e Egipto. negócios

mais um comendador a engrossar a "profissãoda moda" ?
nós sabemos que foi em "ditadura" e "apartheid" que ganhou umas massitas.
Mas podia ser mais discreto!

sábado, 19 de fevereiro de 2011

mais igual que os outros...


Esta cena obscena (a cacofonia soa bem aqui, condiz com o tema) não se passou num país africano, na América latina ou numa das ditaduras árabes agora em queda livre. Não, passou-se nesta muito democrática república portuguesa, à beira mar plantada e entregue aos bichos. Pois é, pasme-se. E sabem que mais? Não é Vara, o pequeno déspota de pacotilha, quem eu censuro. Dessa figura sinistra já não espero nada e nada me espanta. Censuro a médica, que dobra a espinha de imediato ao hitlerzinho que confunde um centro de saúde com o seu bunker privado. Eu punha-o na rua, aos berros, não por ter esperança nalguma réstia de vergonha que exista ainda no homem, mas para que todos soubessem que nem todos somos boys & girls. E que ainda não vivemos no Irão. por Ana Vidal no delito de opiniao

... o suposto doente foi observado e a doença confirmada, o atestado médico foi passado na hora com toda a consciência e profissionalismo? O suposto doente saiu e foi tomar a medicação ou foi tomar um avião? E foi viajar ou foi pescar robalos?
Exijo saber os detalhes, porque ando há longos anos a ouvir falar da pouca-vergonha que são certos atestados médicos. Quanto à pouca-vergonha do protagonista, essa trata-se de outra maneira e com outra receita, que não na farmácia.
por João Carvalho no delito de opiniao

Valerá a pena?


Não me parece que possam restar muitas dúvidas sobre o sentido que está a tomar a evolução da União Europeia. Só alguém dotado de um grau de ingenuidade sem limites poderá continuar a crer que a União de hoje é a mesma (aparte o nome) que a CEE a que aderimos.
...
As declarações repetidas da chanceler alemã (que nem sequer faz segredo disso), juntamente com as posições que o governo alemão tem tomado sobre a chamada governança económica europeia, não permitem alimentar dúvidas sobre a matéria.
...
Nestas circunstâncias impõe-se uma reflexão tanto quanto possível serena e desapaixonada sobre se teremos futuro na União.
- Será que vale a pena pertencer a uma União que serve de veículo aos interesses estratégicos do seu estado mais poderoso?
- Será que vale a pena pertencer a uma União que colocou o estado português (como outros) na mão dos mercados financeiros?
- Será que vale a pena pertencer a uma União que desde 1992 tem responsabilidades gravíssimas na distorção da nossa estrutura produtiva e não nos dá quaisquer perspectivas de progresso?
- Será que poderemos ter futuro numa União que reduz para níveis inimagináveis ainda há poucos anos e sem paralelo em estados fora da União, a nossa autonomia política?
Por mim, tenho cada vez mais dificuldade em responder afirmativamente a estas questões.
por João Ferreira do Amaral no Página 1

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

TGV este ano ascende a 76 milhões de euros


O troço de alta velocidade ferroviária entre Poceirão e Caia, que integrará a futura linha de alta velocidade Lisboa-Madrid, representará um encargo para o Estado de 76,2 milhões de euros este ano, confirmou o Ministério das Obras Públicas à Lusa.
A portaria publicada hoje em Diário da República define os encargos máximos resultantes do contrato para cada ano económico, aos quais acrescerá, entre 2014 e 2050, o IVA à taxa legal em vigor, num total estimado de 2,1 mil milhões de euros.
"As importâncias foram calculadas tendo por base uma estimativa de inflação de dois por cento, devendo as mesmas ser actualizadas anualmente nos termos previstos" no contrato de concessão, lê-se na portaria, que acrescenta que os encargos "são suportados por verbas a inscrever no Orçamento do Estado dos anos respectivos".

De imediato o líder do CDS-PP, Paulo Portas, anunciou que vai chamar o presidente da comissão para reavaliar as parcerias público-privadas e o TGV, afirmando que existe "um fingimento" e que a obra está a avançar.
"Há nesta matéria um fingimento. Oficialmente, diz-se que o TGV está em reavaliação e depois na prática, nas portarias, nos despachos, nos contratos, o TGV está a avançar a grande velocidade".


Eu até estava convencido que no "acordo do tango", PS e PPD, tinham establecido a suspensão daquela coisa! Mais uma vez fui enganado!

esta é a escola pública com que ele sonhou...


Estou tão alegre quanto vocês porque eu sonhei com isto há uns anos atrás: sonhei com uma escola com bonitas cores, com moderna arquitectura, sonhei com uma escola com as mais modernas tecnologias, sonhei com numa escola do futuro”.
que poético!
O ainda primeiro-ministro disse gostava que os anos de governação que protagoniza “ficassem recordados como um período em que se investiu nas renováveis, nas tecnologias, nas escolas, em que se investiu naquilo que faz parte do futuro”.
...e os estádios ficam esquecidos?

sem medo de provocar eleições?


O PSD não terá medo de provocar eleições antecipadas se tal for necessário, garante o líder do partido.“Se houver uma situação em que claramente se percebe que o Governo não está a fazer aquilo que lhe compete, que há um problema sério de credibilidade ou de confiança externa, em que sem eleições já não seja possível a Portugal recuperar, nesse dia nós teremos de resolver esse problema”.
“Se ela acontecer quero que os portugueses saibam que o PSD não vai ficar com medo de provocar as eleições e de dar às pessoas a liberdade de escolherem como querem fazer para futuro”, afirmou Pedro Passos Coelho, sempre politicamente correcto, em entrevista à RTP.
e acrescentou:
“Se o Estado continuar a colocar divida pública ao mesmo valor, ao mesmo preço, a pagar as mesmas taxas de juro, praticamente, o agravamento dos impostos que vamos ter é para pagar juros. Isto não é sustentável, porque nós não podemos todos os anos aumentar o IVA, o IRS, a agravar outros impostos indirectos e a não sair da cepa torta”.

Este acrescento é que é o nosso problema e, também, a nossa angústia por ver PPC a tremer de coragem para uma "ida" a eleições.
Mas, se continua à espera, ainda lhe vai acontecer o mesmo que aos três últimos presidentes: dois não chegaram lá e outro foi lá e perdeu…

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

ainda há alguns que fazem o “trabalho de casa”!


TPC 1
“O CDS tem a informação de que a Comissão Europeia multou Portugal em 46 milhões de euros relativos ao ano de 2006, já notificou Portugal de uma nova multa de 122 milhões de euros relativos aos anos de 2007 e 2008 e, dentro de semanas, chega a Portugal uma missão da União Europeia que vem inspeccionar os anos de 2009 e 2010”,
Como é que é possível um país que não é rico especializar-se em desperdiçar fundos comunitários?

TPC 2
“Está escrito no acordo entre o PS e o PSD que as grandes obras iam ser reavaliadas”, mas que “na verdade, o executivo toma medidas administrativas, continua a fazer expropriações, abre concurso para as estações do TGV e até já vai pedir o visto ao Tribunal de Contas para o projecto”.
Reavaliar, em bom português, significa parar, suspender, reflectir, meditar, avaliar e o que está a acontecer é o contrário disso”, afirma Paulo Portas, notando que “só pede um visto ao Tribunal de Contas para um projecto quem pretende não reavaliá-lo, não suspendê-lo, mas fazê-lo”.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

o avalista


Para não ter que ir a reboque da moção de censura ao governo do Bloco de Esquerda, Passos Coelho fez as mais esdrúxulas declarações políticas que me lembro de ter ouvido a um líder de oposição. Disse ele, segundo o Público (ainda me custa a acreditar que seja verdade): «Se algum dia chegarmos à evidência que o Governo não cumpre aquilo a que se comprometeu, que há uma situação financeira de ruptura em Portugal, que o país está num impasse, num beco sem saída, então nós arranjaremos uma saída».

Daqui retiram-se, pelo menos, as seguintes conclusões:
- Que o governo do PS está a cumprir o que prometeu aos portugueses;
- Que a situação financeira de Portugal não é de ruptura (leiam-se, a propósito,
estas declarações do Governador do Banco de Portugal);
- Que Portugal não está num impasse, logo tem uma orientação política clara e um caminho seguro pela frente;
- Que o «beco» tem saída, obviamente, com o governo do PS que está em funções;
- Que o PSD de Passos Coelho só se prefigura como alternativa de governo ao PS se o país der um estoiro. Na normalidade das coisas, que Passos parece ver no momento actual, o PSD não sabe fazer melhor do que o PS, deixando a este partido a gestão do país.

Passos coloca-se, assim, não na posição de chefe da oposição ao governo em funções, de líder de uma alternativa clara ao actual modelo (?) de governação, mas apenas e só na de avalista do governo do PS e de José Sócrates. É, de resto, o que ele tem feito desde o primeiro segundo em que assumiu responsabilidades no PSD.
escrito por
rui a. no « BLASFÉMIAS

O PS visto por Alfredo Barroso


O PS no “centro do centro” e a auto-reprodução das oligarquias partidárias é um artigo de Alfredo Barroso no jornal i a não perder.

este artigo de opinião seguramente que reflecte o pensamento de Mário Soares que vê o "seu partido" a finar-se... e o "regime", este regime, porque ele e tantos outros lutaram a acabar.

o Governo não «baixa os braços», o Desemprego aumenta.


«As estatísticas do emprego relativas ao quarto trimestre de 2010 indicam que não poderemos baixar os braços e ainda não fomos capazes de inverter a tendência», declarou a ministra no dia em que se ficou a saber que a taxa atingiu os 11,1% no último trimestre de 2010.
Helena André afirmou que «cada novo desempregado é uma fonte de preocupação», mas também «o reforço do ânimo» para o Executivo continuar «a trabalhar no sentido de relançar o crescimento da economia, com uma forte aposta nas exportações».

Claro que percebemos a Srª ministra, em especial, no dia seguinte ao CDS ter divulgado que o Ministério do Trabalho, em Dezembro e sem concurso, nomeou 41 directores distritais da Segurança Social ligados ao Partido Socialista e que, em 2010, «
aumentou os prémios para as chefias ao mesmo tempo que retirava os prémios aos trabalhadores»...
Estas medidas, por certo, serão as boas ajudas a este governo que não quer "baixar os braços" a que a ainda ministra se referia...

rescaldo do Verão Quente de 75?


A PSP recolheu no antigo Centro Cultural de Setúbal, onde decorrem trabalhos de reabilitação do edifício, granadas e munições datadas de 1974 que estavam "no interior de três pequenas bolsas dissimuladas no forro do telhado".

poucos se lembrarão da "muralha de aço", mas era interessante que alguém investigasse a relação da "muralha" com o material recolhido.

nos dias de hoje uma investigação será politicamente incorrecta, mas amanhã... quem sabe?

domingo, 13 de fevereiro de 2011

demissão de editor de política do DN


A notícia estava pronta há algum tempo, mas João Marcelino não autorizou a sua publicação, tendo entretanto o Correio da Manhã e o Sol acabado por a publicar. Ontem, David Dinis confirmou ao PÚBLICO que já não ocupa o cargo de editor, tendo recusado a comentar o motivo que esteve na origem do abandono. João Marcelino, por sua vez, não respondeu ao pedido de esclarecimento do PÚBLICO e quando contactado através do seu telemóvel pessoal desligou a chamada.
...
A questão da manipulação dos meios de comunicação social foi amplamente discutida após a divulgação de escutas telefónicas do Face Oculta. Na altura, o semanário Sol revelou que a 20 de Junho de 2009, quando os termos da compra da TVI pela PT estavam a ser negociados e Rui Pedro Soares se preparava para viajar para Madrid, Paulo Penedos e o então administrador da PT discutiram quem ficaria à frente da estação e da Media Capital. Rui Pedro diz que "uma das razões para ser a PT a comprar" é ele próprio "poder ir" para a estação. Diz que até já "está escolhido o director de informação - o Paulo Baldaia", director da TSF ( do grupo Controlinveste que comprou a Lusomundo Serviços). Penedos lembra que o jornalista "é dado como próximo do Tó-Zé" (referindo-se a António José Seguro, de quem Baldaia foi assessor de imprensa). Rui Pedro Soares responde que Paulo Baldaia "vai ser muito importante porque o João Marcelino é amigo do gajo, temos a Lusomundo tratado [ou seja DN/JN/TSF]".

...e assim vão restando apenas os pequenos, médios e micro jornalistas para os micro, médios e pequenos leitores.
Os 37 anos do Estado a que isto chegou começam a parecer-se aos do Estado que acabou após pouco mais de 37 anos!

sábado, 12 de fevereiro de 2011

juros do que os "mercados" nos emprestam


Abrir portas


Hoje há eleições no CDS. Paulo Portas será reeleito sem qualquer opositor. No final deste mandato será o líder partidário com mais longevidade da democracia portuguesa.
Também hoje se escolhem os delegados ao próximo Congresso que o empossará.
Em vários pontos do Pais há, pela primeira vez, mais do que uma lista para a escolha desses delegados. Trata-se de uma possibilidade resultante da alteração estatutária que nos alegramos de ter protagonizado em proposta do último Congresso.
Este é um sinal de que, sem pôr em causa a liderança, é possível aspirar a mais Partido, maior pluralidade e debate qualificado no seio do CDS.
Por tudo isto, hoje o CDS está de parabéns. por Filipe Anacoreta em
O Cachimbo de Magritte


uma notável e séria visão de alguém que conhece muito bem os democratas-cristãos. Parabéns!

Passos de coelho


Direcção do PSD tem trinta dias para mostrar o que vale
Se Passos Coelho deixar passar esta oportunidade de avançar para eleições antecipadas, perderá credibilidade e será visto como um líder medroso e oportunista, deixando o campo totalmente livre a Cavaco Silva.Cavaco odeia Passos Coelho, e portanto aproveitará a sua hesitação e medo para o pendurá-lo numa corda de seca até que caia de podre num próximo congresso extraordinário — quando o governo, seja ele qual for, caminhar para uma diminuição do número de freguesias urbanas e de municípios, e proceder à venda de algumas empresas públicas falidas, após liquidar os respectivos passivos (suponho).Se a actual direcção do PSD hesitar, como parece que vai suceder, e ficar encalhada no apoio a José Sócrates, como se a responsabilidade democrática não estivesse, precisamente, na urgência da remoção deste desastroso governo e do mitómano que o conduz, teremos crise laranja até ao fim deste ano.
...
Se depois do saque realizado pela tríade de Macau e pelos piratas da SLN/BPN, e se depois da fuga em frente da governação socratina, o que vier depois (e não creio que possa vir nada de bom do inseguro e medroso Passos de Coelho, nem muito menos da cabotina e irritante criatura que dá pelo nome de Miguel Relvas) não cumprir o que o país espera do poder —transparência, pragmatismo, eficácia, lucidez, ponderação, estratégia, liberdade de acção, e justiça— então o regime cairá mesmo numa espiral convulsa de desfecho incerto.
este interessante
post, para ler, fica completo aqui n'O António Maria


na mesma linha está o


Passos ao inviabilizar a moção de censura, está a cometer aos olhos dos Portugueses o mesmo erro do seu vizinho de bancada.
Sendo a credibilidade de tomada de posições o único elemento que já interessa aos Portugueses sem os taticismos miseráveis que descredibilizam, um chumbo da moção de censura com o argumento hipotético de um abstracto interesse nacional selará o definitivo carimbo dos Portugueses: gémeos idênticos, na mentira e na falta de confiança camaleónica detectada pelos Portugueses.
Afinal votar no PSD para quê, se são idênticos nas inverdades e na política?
Penso que o PSD na hora do voto, a continuar por este caminho, ainda irá ter uma surpresa!
por P.A.S. no
Causa Vossa

Quem tem medo do voto? Chamem o Figo!


Quem tem medo do voto?
Uma estranha aliança surgiu: os fiéis de Sócrates, os inimigos de Pedro Passos Coelho e a corte do costume. Esta santa aliança, que no passado apenas tinham outras moscas com outros nomes, desataram a vociferar contra a moção de censura apresentada pelo Bloco de Esquerda, esquecendo que o país não aguenta mais esta governação de ilusões e mais negociatas de Estado.
Uns não querem perder o poder e as benesses; outros têm medo que o poder caia nas mãos de quem já os conhece de ginjeira; por último, os parasitas do costume querem evitar quaisquer mudanças que os coloquem em risco.
Por tudo isto, a opção política de Francisco Louçã teve três vantagens: não agradou a esta espécie de PS; incomodou o tacitismo da nova liderança do PSD; e agitou o chiqueiro em que a estabilidade está transformada.
por RCP no
MAIS ACTUAL
Chamem o Figo
Apesar de Rui Pedro Soares, João Carlos Silva e Américo Tomati já não poderem dar uma mãozinha, e da PT e do Taguspark terem sido obrigados a operações mais cuidadosas, a situação complicou-se para o primeiro-ministro. Quase que apetece ironizar: Será que vamos ter, em breve, mais um pequeno almoço entre José Sócrates e Luís Figo? por RCP no
MAIS ACTUAL

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

o importante é passar uma mensagem positiva...


imagem de desespero para mais tarde recordar...
O ministro da Presidência considerou hoje "absolutamente lamentável" as declarações de Passos Coelho em Paris, que afirmou que a liquidez de Portugal tem sido feita à custa de "taxas insustentáveis" que têm um "custo insustentável a médio e longo prazo".

"A instabilidade e os comentários feitos pelos restantes partidos não ajudam o país, é o pior que se pode fazer num momento em que o importante é passar uma mensagem positiva", afirmou Pedro Silva Pereira, no final da reunião do Conselho de Ministros.

Sobre o valor dos juros da dívida, que atingiu esta manhã um novo recorde, o ministro da Presidência lembrou que essa situação não aconteceu isoladamente em Portugal, mas sim em vários países europeus. "Os resultados da execução orçamental foram bastante positivos e, por isso, Portugal tem razões para confiar na sua capacidade de atingir bons resultados".

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

EM DEFESA DAS AVÓS


DEI COMIGO há dias a assistir a um programa, destinado ao público feminino, onde se fazia, mais uma vez, a recorrente afirmação de que não há melhor infantário nem escola infantil do que a casa dos avós.
Confesso que acho estranho que, num tempo em que as avós são cada vez mais novas, e cada vez mais activas, não se ergam vozes feministas a contrariar essa peregrina ideia de avó-fada-do-lar.
Parece que ser mulher, com todos os seus direitos, e no pleno gozo das suas capacidades, tem prazo de validade.
Ficar em casa a tratar de marido e filhos — isso nunca.
Ficar em casa a tratar de marido e netos – parece quase um dever.
Claro que não estou a falar destes terríveis tempos de crise que atravessamos, em que é preciso cortar despesas e a casa da avó é mais barata que um infantário. Mas isso é uma solução de recurso, uma emergência.
Mas quem falava naquele programa, não falava de crise.
Falava do melhor para as crianças. Em todos os tempos.
Como se sabe, nem sequer é o melhor para as crianças que, desde pequeninas, precisam de regras, de aprender a viver com os outros, e de entenderem que não são o centro do mundo.
E se não é o melhor paras as crianças, muito menos o é para as avós.
Que, tal como as mães, trabalham.
Que, tal como as mães, contribuem para fazer progredir este país.
Quando se diz que as mães trabalham fora de casa, toda a gente acha normal e louvável, pois claro!, já lá vai o tempo de ser doméstica!
Mas quando uma avó explica que não pode, por muito que os ame de paixão, ficar com os netos em casa, porque sai às 8 da manhã e só volta às oito da noite, ou porque tem um trabalho para entregar, todos olham para ela como se estivessem diante de uma aberração da natureza.
E era aí que eu gostava de ver as feministas saírem em sua defesa. Mas não saem.
Se calhar porque também elas precisam de alguém a quem deixar as crianças.
por Alice Vieira em
as madrugadas
LINDO!

Reduzindo-nos à condição de contribuintes o Governo aposta no ilusionismo...

Reduzidos à condição de contribuintes
Os tribunais não fazem o que têm de fazer. As polícias muito menos. Estão todos quietos. Ninguém quer chatices.
A senhora desapareceu? Tem a certeza? Arrombar a porta é muito complicado. Só dá problemas. Volte cá depois. É assim com tudo. Faz-se de conta que se faz alguma coisa inventando causas nos sectores da moda: agora é o género. Antes foram as alterações climáticas. O povinho fica entretido. E isso é que conta. Entretanto que de facto manda e pode continua a arrebanhar dinheiro. No fundo dos bolsos. O fantasma congratula-se com o dinheiro arrebanhado. E a máquina fiscal a única que de facto existe e se mexe anda por aí. Faz penhoras, executa. Para ela não há problemas com as portas. Onde os tribunais e as polícias duvidam sequer poder entrar as Finanças penhoram e vendem. Foi a isto que o socialismo nos reduziu: contribuintes. por helenafmatos no blasfemias
Governo aposta no ilusionismo
O país entrou outra vez numa vaga de ilusionismo. Apesar dos indicadores mais do que preocupantes e do dinheiro obtido nos mercados a taxas de juro incomportáveis. Com a aproximação das cada vez mais do que prováveis eleições antecipadas, o governo de José Sócrates lança mais uma vaga rosa para evitar ser corrido do poder. Mais uma vez, as receitas de 2005 e 2009 voltam em força. Agora, só é enganado quem quer. por RCP no mais actual

um aborto...




Corrupção passiva no apoio de Figo a Sócrates


Rui Pedro Soares, Américo Thomati e João Carlos Silva, ex-administradores do Taguspark, vão ser julgados pelo crime de corrupção passiva para acto ilícito.
Em causa, o contrato de 750 mil euros pagos pela empresa de capitais públicos para que o ex-futebolista associasse a sua imagem ao parque tecnológico de Oeiras.
A juíza considerou tratar-se de um "expediente" para conseguir o apoio de Luís Figo para as legislativas de 2009 e salientou o facto de, no mesmo dia em que assinou o contrato, Figo ter tomado o pequeno-almoço com o primeiro-ministro.

empréstimos a 10 anos a 7,63%

De acordo com a Bloomberg, a 'yield' exigida pelos investidores no mercado secundário para comprar títulos de dívida soberana portuguesa com maturidade a dez anos agravou-se para os 7,63 por cento e a taxa genérica superou os 7,5 por cento, agravando-se para os 7,516 por cento.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

domingo, 6 de fevereiro de 2011

no centenário do nascimento de um PRESIDENTE

Opinaram ao Domingo...


um ponto é tudo
Tempestade perfeita
Se ser grande estadista inclui capacidade para transmitir ideias-chave, Hillary Clinton deu ontem mais um passo para a imortalidade. Em Munique, virou-se para a audiência de especialistas sobre segurança mundial, e definiu o que pode vir a sair das revoltas do Norte de África: "Tempestade Perfeita." Ninguém se deixou iludir pela palavra final gentil. Perfeita junto a tempestade é aterrador, ponto final. Mesmo aqueles que ignoram o que seja cientificamente a conjugação de vários fenómenos meteorológicos, todos a trabalhar para o mal, têm Hollywood para ajudá-los a imaginar o que nos pode esperar: em Tempestade Perfeita (filme de 1991), George Clooney combatia ondas de dez andares. Estão a ver uma coisa assim a vir pelo mar fora, humm, deixa-me ver, pelo Mediterrâneo... Um que percebeu o sentido da fórmula de Clinton foi David Cameron, também presente em Munique. Pediu desculpa pelas ligações ao Reino Unido dos recentes ataques terroristas islâmicos na Suécia e Dinamarca: "Os nossos governos têm sido demasiado condescendentes com quem não dá valor à democracia e igualdade de direitos", disse o primeiro-ministro britânico. Que acrescentou: "A Europa precisa de despertar para o que está a ocorrer nos nossos países." Repararam? O Egipto, a ferro e fogo, e Cameron a falar do que "ocorre nos nossos países..." Não é egoísmo a mais? Não, é acordar para a realidade. por FERREIRA FERNANDES
no DN

dias contados
Fascismo nunca menos
Acompanhar a erupção da "rua árabe" no site do Bloco de Esquerda é uma experiência extraordinária. Nem os esforços do BE em prol da legalização da cannabis justificam o ar que por ali se respira. Além disso, o site tem a vantagem de esclarecer os indecisos sobre o partido a tomar face à dita "rua", visto ser mais fácil a um cidadão sensato ficar contra aquelas revoltas populares depois de perceber que o BE está a favor.
A favor é favor. Um destes dias, entre diversas apologias da luta pela "liberdade", o esquerda.net publicou e, supõe-se, subscreveu um texto de Slavoj Zi?zek. Zizek, filósofo "pop" especializado em pregar a pasmados o evangelho da liberdade, do anticapitalismo, do anti-semitismo e da legitimação da violência, começa por atacar o receio que os acontecimentos na Tunísia e no Egipto inspiram ao Ocidente, ou à parcela do Ocidente que não fuma as mesmas substâncias usadas pelos discípulos do dr. Louçã. De seguida, classifica os acontecimentos: uma revolta "na melhor tradição democrática secular", em que "as pessoas simplesmente se revoltaram contra um regime opressivo, a sua corrupção e pobreza, e pediram liberdade e esperança económica"…
por ALBERTO GONÇALVES
mais no DN

…e como, democraticamente, se deve conceder o direito à asneira pode ler as cretinices d’
O princípio do fim?

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Roubaram-lhe o PC? Localize o larápio!


Recentemente um fotografo que acompanhava uma selecção foi assaltado na África do Sul e com o MobileMe, conseguiu localizar o seu material e informar as autoridades que o recuperaram.
O LocatePC, o Undercover ou o Prey são um software idêntico e podem dar uma ajuda.
O Prey é gratuito e pode ser descarregado aqui

medidas de choque na Espanha ?


O Governo e Parceiros Sociais da Espanha concertaram medidas e acordaram:
· Os desempregados de longa duração, que recebiam 426 euros mensais e cuja prestação terminaria em Fevereiro, continuarão a receber 400 ouros, durante mais seis meses, se tiverem familiares a cargo e entrarem num programa de requalificação.
· A partir de Junho, cada empresa deverá ter um fundo de capitalização para trabalhadores, que se accionará em caso de despedimento, mobilidade geográfico, reforma ou financiamento de formação.
· Reduções nos descontos para a Segurança Social, das empresas que façam novos contratos, mesmo que a tempo parcial. A medida, que se aplica aos contratos sem termo ou de, pelo menos, seis meses, durará um ano e será reavaliada ao fim de 180 dias. Abrange apenas os jovens até aos 30 anos.
· Diminuição dos descontos da Segurança Social nas empresas que mudem contratos temporários para definitivos.
· A idade da reforma passará de 65 para 67 anos, ao ritmo de um mês por ano até 2018 e dois meses entre 2019 e 2027 Cada trabalhador terá de descontar 38 anos e seis meses. Actualmente, são 35 anos. Quem prolongar a actividade profissional para lá dos 67 anos, receberá uma pensão mais elevada.
in Visão 935

Será que, por cá, os “nossos” irão aprender alguma coisa ou vão esperar que se atinjam os 20% ?

Tempos de ira

O Egipto não está assim tão longe....
A minha equação é esta: quando os avós virem as suas reformas perder 30, 40, 50% do poder compra que tinham em 2007 e os pais entrarem no exército do desemprego de longa duração, os netos que hoje vivem em casa dos pais ou dos avós, sairão à rua... e aí creio que os avós, pais e netos expoliados, desiludidos e furiosos deste país farão uma nova revolução. Os que hoje monopolizam a cena pública irresponsavelmente, sem uma réstia de ética, nem ponta de coragem —do parlamento às televisões, rádios e jornais; das secretarias de estado aos municípios e agências governamentais; dos bancos e oligopólios públicos e privados encostados à democracia burocrática e populista que se foi instalando nos últimos trinta anos— não digam, quando este tempo de ira chegar, que não sabiam, nem foram avisados. Estão avisados!
ler o post completo n'
O António Maria

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

ANO do COELHO


Um ano calmo, bem necessário após o ano feroz do Tigre!.
As pessoas reconhecerão que a persuasão é melhor do que a força. Será uma época harmoniosa em que a diplomacia, as relações internacionais e a política prevalecerão.
Lei e Ordem serão as máximas deste ano. Regras e Regulamentos deverão ser cumpridos. O cenário é calmo, chegando ao ponto de provocar sonolência.
O nosso estilo de vida será lânguido e cheio de lazer. Um ano temperado com ritmo lento. Pode-nos parecer possível ser feliz sem demasiados cuidados. Teremos uma tendência para pôr de lado as tarefas desagradáveis por um tempo o mais longo possível.
No Ano do Coelho tudo "é pr'ámanhã" diria o Variações.
KUNG HEI FAT CHOI

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

na psp a coisa está preta


A PSP, vai não vai, é notícia pelos piores motivos. Os agentes fartam-se de chamar à atenção dos responsáveis que não têm condições de trabalho, que arriscam a vida e depois eles é que sofrem as consequências, que a pressão é enorme devido ao salário baixo bem como outros lamentos. Os seus alertas têm sido passados para as calendas através dos orifícios de ouvidos surdos.
Factos tristes recentes a dar que pensar: ontem, um agente, na Musgueira-Lisboa, disparou e matou um ladrão [tudo indicando que tem a carreira e a vida arrumadas]. Hoje, outro agente, em Almada, pegou na pistola e suicidou-se.
Hum...
por joão eduardo severino no Pau Para Toda A Obra