segunda-feira, 9 de julho de 2007

Sábado, 9 de Julho de 2005

Tristérrimo
Pedido de desculpas do MNE à China é atitude «insólita» 2005/07/09 13:06
Alberto João Jardim discorda da atitude de Freitas do Amaral, que terá dito ao embaixador da China em Portugal que «deplorava as palavras» do líder madeirense
O presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, qualificou hoje de "insólita" a atitude do ministro dos Negócios Estrangeiros, Freitas do Amaral, que segundo o semanário Expresso teria pedido desculpa à China em nome de Portugal.Alberto João Jardim reagia assim a uma informação divulgada hoje pelo jornal Expresso, segundo a qual, na sequência de declarações suas contra a presença de chineses na Madeira, Freitas terá feito saber ao embaixador da China em Portugal que "deplorava as palavras" do líder madeirense. PortugalDiario
Embaixador da China em Lisboa visitou hoje a RegiãoAlberto João Jardim reafirma que não quer empresas chinesas na MadeiraO presidente do governo regional da Madeira repetiu hoje que não quer empresas chinesas na Região, reafirmando as declarações polémicas proferidas no domingo passado, durante o discurso de encerramento do festival "48 Horas a Bailar", em Santana. Publico


Manuel M. Carrilho visita um mercado e diz aquelas condições (de trabalho) vêm de Africa...SIC

Os Jornalistas presentes não comentaram!!! Ainda bem que não disse que “as condições” vinham da China!!!

Muito Triste!
Arrastão
'Comandante afirma ter sido pressionado
O comandante da PSP de Lisboa, Oliveira Pereira, afirma ter sido pressionado para dizer que os incidentes do passado mês em Carcavelos foram um “arrastão” e envolveram 400 pessoas, segundo um comunicado da Polícia citado este sábado pelo semanário Expresso. CM
Polícia desdiz ‘arrastão’
Comandante da PSP de Lisboa afirma ter confiado em fontes erradas e corrige versão oficial dos acontecimentos
O COMANDANTE da PSP de Lisboa, Oliveira Pereira, afirma ter sido «pressionado» para dizer que os incidentes de 10 de Junho em Carcavelos foram um «arrastão» e envolveram 400 pessoas, conforme referiu um comunicado da Polícia. Expresso
Comandante da PSP pressionado a usar termo «arrastão»
O comandante da PSP de Lisboa foi pressionado para dizer que os incidentes do passado mês em Carcavelos foram um «arrastão» e envolveram 400 pessoas. Oliveira Pereira diz que o seu comando foi obrigado pelos media a emitir opinião. As revelações constam de uma entrevista concedida à jornalista Diana Andringa, disponibilizada num site do BE. DiarioDigital
Triste
Portugal pode perder projecto da IntelA Intel estranha o silêncio do Governo num projecto dirigido à Educação e financiado pela tecnológica, refere o Expresso. O Tech to the Future visa competências de docentes do básico e secundário, já deu resultados noutros países e está prestes a excluir Portugal. DiarioDigital

50% dos jovens não querem votar
METADE dos jovens que atingiram a maioridade nos últimos quatro anos não estão recenseados.

Jornalistas receiam...


... o peso de Sarkozy nos media
Nicolas Sarkozy é considerado pelos meios de comunicação social franceses e estrangeiros como alguém especialmente dotado para a comunicação e para o debate. E o peso que o recém-eleito presidente francês tem nos media está mesmo a preocupar jornalistas e organismos representativos da classe, como sindicatos e os Repórteres sem Fronteiras (RSF).
...
A relação entre Sarkozy como Chefe de Estado e os grandes grupos de comunicação franceses começa definitivamente a preocupar organismos como os RSF, que não se coíbe de lançar alertas.Em 2005, O jornalista Alain Genestar foi afastado da direcção da revista Paris-Match, propriedade grupo Lagardère, depois da publicação de uma fotografia de Cecilia Sarkozy (mulher do presidente) com um então seu companheiro sentimental. O director geral e accionista maioritário do grupo, Arnaud Lagardère, é amigo pessoal do Presidente.
...
Um episódio de auto-censura aconteceu posteriormente, durante as presidenciais deste ano. Jacques Espérandieu, director da redacção do Journal du Dimanche, outra publicação do referido grupo, teria reconhecido perante a France Press ter recebido "chamadas da parte de pessoas insistindo na não publicação dos documentos que comprovavam que Cécilia Sarkozy não teria ido votar, por se tratar de assuntos da vida privada".
...
Um caso mais recente, mas igualmente suspeito, constitui a nomeação de Laurent Solly, de 36 anos e antigo director de campanha adjunto de Nicolas Sarkozy, como presidente do canal de televisão privado TF1, o primeiro em termos de audiência. A oposição socialista veio de imediato a terreiro denunciar a situação, classificando-a de "completamente indecente".
DN Domingo, 8 de Julho de 2007 ANTÓNIO OLIVEIRA E SILVA, Paris e CLAUDE PARIS-AP (imagem)

silly season...


Menores têm sexo virtual a troco de carregamentos de telemóvel DN Domingo, 8 de Julho de 2007 ISABEL LUCAS ANDRÉ CARRILHO (imagem)

domingo, 8 de julho de 2007

Ataque no metropolitano


Gás sem culpado...

As polícias não têm qualquer pista que possa conduzir ao autor do ataque com gás pimenta ocorrido a 31 de Maio na Estação do Saldanha do Metropolitano de Lisboa. Na sequência do lançamento do aerossol onde o gás estava acondicionado, ficaram feridas, embora sem gravidade, pelo menos 11 pessoas que se encontravam naquela estação. CM 2007-07-05 - 00:00:00 foto Paulo Whitaker/Reuters



ps: não houve escutas... nem denuncias?

contra a "piada"


Lei antipiada
Este mundo está um lugar cada vez mais perigoso.

Parece que dizer uma piada já só vai ser permitido entre as paredes de nossa casa - e é se elas estiverem devidamente insonorizadas, não vá o vizinho de baixo ou o de cima ou o do lado sentir-se ofendido.Imaginem a gente a contar a última do Benfica, e logo o Ernesto, do 5.º esquerdo a bater-nos à porta prometendo queixa na Polícia, porque é sócio do "glorioso", daqueles que até tiveram direito a kit quando se inscreveram, e não admite que se brinque com coisas sérias.

Ou então a gente a contar o último trambolhão que deu para dentro de uma das muitas crateras que infestam os passeios da cidade, chamando nomes ao senhor presidente da câmara (presente e passado) e logo a D. Adelaide do 3.º, que tem uma cunhada que é prima de um afilhado da sogra de um motorista da CML, a avisar-nos que já enviou queixa para quem de direito e que em breve estaremos a ser chamados para declarações, a que se seguirá um processo disciplinar tendo em vista o nosso despedimento de qualquer coisa, de quê ao certo ainda não sabe, mas qualquer coisa, o que é preciso é sermos despedidos, depois se verá de quê.

Perante este descalabro é urgente tomar medidas para que este clima de desconfiança se resolva de uma vez por todas.

Por exemplo à semelhança daqueles guetos que se vão criando por aí para os viciados em tabaco, devia criar-se, em todos os cafés, bares, restaurantes, discotecas e afins, zonas para os viciados em piadolas contra o Governo.Também nos transportes públicos, evidentemente, haveria áreas demarcadas para os desgraçados que não conseguissem estar mais de cinco minutos sem insultar o ministro da Saúde, e cinco segundos sem desancar na ministra da Educação.

Piadas contra o Sócrates, essas, só apresentando atestado médico, garantindo tratar-se de doença incurável - e para esses arranjava-se salas de chuto devidamente assistidas, em que cada um podia chutar piada atrás de piada até que a metadona começasse a surtir efeito.

Para além de nos proteger a todos desta verdadeira ameaça para a saúde pública, a lei antipiada ainda tinha a vantagem de criar postos de trabalho lado a lado com os fiscais da Emel, por exemplo, andaria o fiscal das piadas à cata de qualquer gargalhada mais dúbia que levasse à imediata detenção do prevaricador - caso não se encontrasse em local permitido por lei.Por isso, aqui ofereço estas sugestões a todos os candidatos às próximas eleições de dia 15.

Isto sem querer intrometer-me em assuntos partidários, claro, não vá o meu vizinho do rés-do-chão, que é mórmon e não vota, pressionar o administrador do condomínio a expulsar-me por estar a agredir as suas convicções... Domingo, 8 de Julho de 2007 Alice Vieira , Escritora

anedOTAs e outras estórias!!!

«Portela é inviável», diz Sócrates
O primeiro-ministro, José Sócrates, afirmou este do domingo que é inviável a manutenção do aeroporto da Portela, explicando que essa possibilidade já foi estudada pelo governo, informa a agência Lusa.
«No nosso ponto de vista sim [é inviável], nós já estudámos isso», disse à margem da inauguração da nova Ponte da Lezíria, lembrando o estudo encomendado ao Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) para escolher a melhor localização do novo aeroporto de Lisboa.
«Depois deste estudo haverá pressões para mais, o que é importante é que nós façamos estudos sobre aquilo que existe, sobre estudos que existem e que são credíveis, não podemos apenas mandar fazer estudos porque alguém dá declarações a jornais», justificou, acrescentando que a escolha será feita a seu tempo:
«O Estado está agora a fazer um estudo de comparação entre duas localizações, esse estudo é sério, esse estudo não é para provar que a Ota é melhor, é para provar qual é a melhor localização para o aeroporto». PD 2007/07/08 16:27



Sócrates: «Tenho de lidar com vaias e apupos»
Uma cerimónia promovida pela Brisa e pelas autarquias locais, que deixou os populares de fora, uma vez que irá haver lugar a outra inauguração, mas para todos, com direito a concerto de José Cid e The Gift. Sócrates diz-se alheio a essa separação e assegura que não foi assim para evitar o contacto com a população.
«Como político tenho de lidar com as vais e apupos ou com os aplausos», disse aos jornalistas no final de uma cerimónia que considerou «formal» e que «foi definida pela Brisa e pelos presidentes de Câmara». Tal acontece um dia depois de ter sido apupado em pleno Estádio da Luz, antes da cerimónia de anúncio das sete novas maravilhas de Portugal e do Mundo.
Quanto ao protesto agendado pela comissão de utentes do Centro de Saúde de Alenquer, que reclamam pela falta de médicos, o primeiro-ministro disse desconhecer que tenha sido cancelado por ser impossível aos populares contactarem-no. Até afirmou que «teria muito gosto» em recebê-los, mas também considera que «há momentos para tudo» e este serviu para «anunciar uma obra importante».
PD 2007/07/08 13:20

... emigrantes!


EUA
Alunos portugueses

Três alunos do quinto ano do Colégio Português, em Aveiro, conquistaram dois prémios na categoria de juniores no concurso internacional de robots, Robocup 2007, que decorre até terça-feira em Atlanta, nos Estados Unidos. Publico 08.07.2007 - 19h57 Lusa




Suíça
Estudantes Portugueses
Na opinião de Manuel de Melo, conselheiro da Comunidade Portuguesa na Suíça, a grande maioria dos estudantes portugueses têm capacidades normais mas são colocados indevidamente o ensino especial, o que lhes veda a passagem para o ensino normal ou a formação profissional.
Segundo o conselheiro, o relatório da comissão de educação do parlamento de Genebra, que pretende manter esta situação face aos jovens e crianças portuguesas, “foi elaborado com base em critérios nada transparentes e pouco sérios” e que apenas procurou “branquear os “disfuncionamentos” dos serviços de ensino do cantão, responsáveis pelo ensino especial”.
CM 2007-07-08 - 18:47:00

Negócios... dos submarinos?

PJ investiga a partir de telefonemas de Paulo Portas
O consórcio alemão GSC, que ganhou o concurso, transferiu 24 milhões de euros para a Escom UK, uma empresa do grupo Espirito Santo no Reino Unido. O interesse da Polícia Judiciária nesta transferência surgiu no âmbito das escutas telefónicas de conversas entre Paulo Portas e o ex-director financeiro do CDS-PP, Abel Pinheiro, relacionado com o caso Portucale.O Ministério Público ordenou a separação processual e abriu um novo inquérito para investigar estes aspectos do negócio dos submarinos. CM 2007-07-08 - 12:47:00


Quem investiga quem na Polícia Judiciária?
Ninguém. Ou quase ninguém. Ao contrário das grandes polícias ocidentais, a Polícia Judiciária não dispõe de um departamento forte de controlo interno - aquilo que nos filmes americanos é apresentado como os departamentos de internal affairs (Assuntos Internos), os polícias que todos os polícias adoram odiar. DN Domingo, 8 de Julho de 2007

PJ não sabe quanto dinheiro foi desviado
Uma operacional "altamente competente e produtiva", mas adepta de "métodos pouco ortodoxos". "A sua família é a polícia" e sofre de "graves problemas de solidão". Traços gerais, é assim que diferentes fontes da Polícia Judiciária (PJ) ouvidas pelo DN descrevem o perfil de Ana Paula Matos, a coordenadora de investigação da Direcção Central de Investigação ao Tráfico de Estupefacientes (DCITE) que é principal suspeita num caso de desvio de dinheiros apreendidos, cuja dimensão está ainda por apurar. A investigadora já foi afastada e as suspeitas recaem ainda sobre pelo menos três inspectores-chefes e outros 17 inspectores, todos pertencentes àquela direcção da PJ, que está já a ser alvo de uma sindicância autorizada por despacho do Ministro da Justiça.
...
Como o facto de o dinheiro desviado ter sido registado conforme mandam os procedimentos em vez de desaparecer sem rasto. Uma perplexidade que vai sustentando a tese também comum às fontes da PJ ouvidas pelo DN, segundo a qual o dinheiro serviria não para benefício próprio, mas para alimentar os "métodos menos aconselháveis" seguidos por agentes da DCITE, como o suborno de informadores. DN Domingo, 8 de Julho de 2007 LICÍNIO LIMA, JOÃO PEDRO OLIVEIRA RUI HORTELÃO e CARLA AGUIAR

sábado, 7 de julho de 2007

...peculato?

Inspectora coordenadora da PJ suspeita de crimes de peculato
PUBLICO 06.07.2007 - 22h59

A POLÍCIA JUVENIL DOS MAUS COSTUMES PERSEGUE MARIAZINHA

Onde há um militante da JS há um vigilante tenso actuando em nome do Bem da Pátria. Perseguindo o Bem, o vigilante acha-se naturalmente próximo do Divino. O Divino é quem é e ninguém o questiona: basta, ao vigilante tocado pela Graça, a Fé no Rumo e na Mudança. Escrevo isto em maiúsculas já que estou a falar de coisas muito sérias e optar pela prudência é o mínimo que se pode fazer porque nunca se sabe o futuro.



Já se percebeu que os vigilantes, uns mais jovens do que outros, andam aí aos molhos. Claro que qualquer cidadão arguto já se adaptou à emergência. Precauções a tomar:
- olhar para trás antes de dizer o que quer que seja nem que pareça baixinho;
- só ter opiniões com pessoas íntimas cuja confiança tenha sido submetida a testes prévios e convenientemente duros;
- em situações de risco, optar sempre por acenar a cabeça embora de maneira a que não se perceba se é claramente sim ou evidentemente não.

A linguagem é traiçoeira, mas o body language chega a ser menos seguro.

...
DN Sábado, 7 de Julho de 2007 Ana Sá Lopes

... espaço discreto nos jornais belgas



A imprensa belga dedicou pouco espaço nas suas páginas à primeira semana da presidência portuguesa da União Europeia, limitando-se praticamente a assinalar o arranque do semestre.
...
Também a primeira deslocação do primeiro-ministro, José Sócrates, a Bruxelas como presidente em exercício da UE, para participar numa conferência internacional sobre biocombustíveis, passou despercebida nos jornais belgas, que preferiam assinalar a primeira visita do presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, à Comissão Europeia.
DD sábado, 7 de Julho de 2007 - 19:21

Quinta-feira, 7 de Julho de 2005


terror em Londres
Dia de terror em Londres provoca pelo menos 38 mortos e 700 feridos
Quatro explosões em menos de uma hora. O atentado terrorista que há muito tempo se anunciava para Londres aconteceu ontem. Um grupo desconhecido ligado à Al-Qaeda reivindicou-o. Blair garante: "Não nos deixaremos aterrorizar."

sexta-feira, 6 de julho de 2007

SER JORNALISTA


Pergunte-se a qualquer jornalista com uns anitos de profissão o que pensa do jornalismo que se faz em Portugal. O mais certo é que fale da orientação superficial e sensacionalista dos media; da sua perspectiva cada vez mais dirigida para o lucro e menos para a seriedade da abordagem e a responsabilidade social; da juvenilização acelerada das redacções e da exploração dos estagiários; do progressivo alheamento dos jornalistas da definição do rumo dos órgãos para os quais trabalham, com os Conselhos de Redacção a serem reduzidos a verbos de encher ou não existindo sequer. Ficará a impressão de uma falta de lastro generalizada e de uma tendência para o pontapé na deontologia - que em alguns casos alcança a selvajaria.
Apesar de esta visão da actividade ser comum a muita da classe, os jornalistas nada fizeram para dirimir a situação. Não criaram ou propuseram qualquer estrutura profissional fiscalizadora, convivendo alegremente com o facto de restar a quem se considerasse afectado pela actividade jornalística o recurso aos tribunais, à Autoridade para a Comunicação Social ou ao Conselho Deontológico do Sindicato. Sendo que este órgão do sindicato só tem "jurisdição" sobre os jornalistas sindicalizados e mesmo a esses só pode "recomendar" ou "censurar"; sendo que a Alta Autoridade (substituída pela Entidade Reguladora) tinha apenas poder para decidir sobre recusas de direito de resposta e decretar a sua publicação, e censurar condutas - mas sem efeito prático para os jornalistas; sendo que os tribunais não se podem pronunciar sobre uma série de faltas deontológicas e quando o fazem levam os anos e anos da praxe.

...
Tudo isto me faz lembrar uma frase do jornalista e escritor sueco Stig Dagerman: "Ser jornalista é chegar atrasado assim que possível."

Contra mim falo, e aqui faço o meu mea culpa.

Espero pois poder ousar uma pergunta: estávamos à espera de quê? DN Sexta, 6 de Julho de 2007 Fernanda Câncio

A “superioridade” moral do PS


PS acusado de pactuar com deriva autoritária
Alberto Martins, líder parlamentar socialista, revelou dificuldades em defender-se das sucessivas acusações de toda a Oposição, ontem no Parlamento, a propósito de nomeações e exonerações na Administração Pública. Todos os partidos usaram da palavra para denunciarem a existência de uma "deriva autoritária" por parte do Governo com a "conivência" do PS, em particular, do grupo parlamentar.
"O PS não recebe lições de democracia de ninguém" - foi esta a frase que marcou o tom da resposta de Alberto Martins.
E quando Nuno Melo, do CDS-PP, lembrou as vozes socialistas que já se manifestaram contra a actuação do Governo, como Mário Soares, Jorge Coelho e Manuel Alegre, este deputado pediu a palavra para sublinhar que "o PS é fiel à sua História com divergências no interior de si mesmo". Lembrou que as primeiras críticas quanto a nomeações e exonerações na área da Saúde "partiram de socialistas". Nem todos os parlamentares terão entendido esta intervenção como uma "ajuda" a Alberto Martins porque as palmas socialistas foram escassas.
Num discurso com dados comparativos entre a declaração de princípios do PS e a prática do Governo, Nuno Melo, do CDS, foi o primeiro a acusar Sócrates de "deriva autoritária" para concluir com um pedido aos socialistas "Ponham a mão na consciência e recordem os seus princípios". Seguiu-se Zita Seabra, do PSD, a garantir que "vive-se hoje, com a conivência tácita do primeiro-ministro, um clima de asfixia e intolerância democrática".Para Bernardino Soares, do PCP, "há uma atitude de assalto do aparelho de Estado e à tentativa da sua subordinação aos critérios partidários". João Semedo, do BE, disse que "para o PS, governar é nomear, nomear é escolher, escolher é procurar nos ficheiros das federações".
Ao inviabilizar a audição do ministro Correia de Campos para explicar aos deputados as opções tomadas no centros de Saúde de Vieira do Minho e de Braga e no Hospital de S. João, a direcção do grupo parlamentar provocou a "indignação" da Oposição e contestação interna em linhas divergentes.
Ontem, na reunião do grupo parlamentar o deputado Ricardo Gonçalves, de Braga, que, na quarta-feira, na comissão parlamentar de Saúde se excedera, voltou a exaltar-se na defesa das opções tomadas, enquanto outros apelaram à moderação no seguidismo relativamente ao Governo. JN Sexta-feira, 6 de Julho de 2007Ana Paula Correia

Juntas médicas


A legislação que gere as juntas médicas poderá mesmo vir a ser alterada, de forma a torná-las "mais rigorosas", dar-lhes "sensibilidade em relação às questões que analisam" e evitar situações como as que envolveram recentemente dois professores com cancro. Com reforma antecipada recusada, os dois docentes acabaram por falecer no activo, o que, juntamente com outros casos, levou a Ordem dos Médicos (OM) a defender formação específica para os profissionais que compõem as juntas médicas.


A revisão da legislação foi ontem admitida pelo grupo parlamentar do PS, encabeçado pela deputada Maria de Belém Roseira. A mesma que anteontem dissera não ser necessária qualquer alteração à lei, remetendo a questão para um problema de formação específica. Ontem, após uma reunião com a OM, os deputados prometeram fazer um levantamento da legislação.




Para o bastonário dos médicos, a solução passa por impor na lei que as juntas médicas sejam efectivamente compostas apenas de médicos e que estes tenham uma formação específica para a qual a OM prepara a competência de Medicina da Segurança Social e Seguros. E se o facto de as juntas médicas com pessoal não médico serem só algumas (as das polícias e dos militares - ver caixa), a falta de formação é comum a todas elas. JN Sexta-feira, 6 de Julho de 2007 Ivete Carneiro




Arderam 500 hectares


Cerca de 500 hectares do Parque Natural do Vale do Guadiana (PNVG) arderam com o incêndio que lavrou desde quinta-feira no concelho alentejano de Mértola, destruindo zonas de azinheiras, pinheiros bravos e vegetação ribeirinha.
Toda a área ardida durante o incêndio, que deflagrou às 16:26 de quinta-feira e foi extinto ao início da manhã de hoje, está incluída no PNVG e abrange áreas do Perímetro Florestal e de duas reservas de caça de Mértola, uma municipal e outra associativa.

137 bombeiros apoiados por 44 veículos e cinco máquinas de rasto estiveram no terreno. JN Sexta-feira, 6 de Julho de 2007

quinta-feira, 5 de julho de 2007

imigrantes


lei com críticas e dúvidas
A nova Lei da Imigração (Lei n.º 23/2007), que vem substituir a anterior legislação, da autoria do Governo PSD-CDS / PP, foi ontem recebida por críticas e dúvidas das associações de imigrantes que publicamente lamentaram as “expectativas defraudadas”. Também o CDS, partido que votou contra a lei (aprovada pelo PS e PSD, abstenção da CDU e votos contra do CDS e BE), pela voz do deputado Nuno Magalhães, defendeu ao CM que “o que a Lei tem de bom resulta das directivas comunitárias”.CM 2007-07-05 - 00:00:00

10 hectares ardem...


Arrábida
Um descuido deverá estar na causa de um incêndio – o primeiro na Península de Setúbal nesta época de fogos – que consumiu perto de dez hectares da Serra de São Luís, no Parque Natural da Arrábida.No combate estiveram envolvidos 91 homens de 15 corporações – entre as quais Setúbal, Moita, Águas de Moura, Alcochete e Sesimbra – dois helicópteros e 26 viaturas.

S. JOÃO DA PESQUEIRA
Um helicóptero e 22 bombeiros combateram ontem um incêndio em Riodades, em São João da Pesqueira.

BARREIRO
Um incêndio deflagrou ontem na mata da Machada, no Barreiro. No combate estiveram 19 Voluntários do Barreiro, seis veículos e um helicóptero. CM 2007-07-05 - 00:00:00



quarta-feira, 4 de julho de 2007

FCP


Autarcas em tribunal
O Tribunal da Relação deu como provado que o município do Porto foi lesado em 25 milhões de euros, na negociação feita com o FC Porto no âmbito do Plano de Pormenor das Antas. A conclusão consta da fundamentação de um acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, onde o actual presidente da Câmara e o seu antecessor se degladiam. Nuno Cardoso diz que Rio o difamou e Rio acusa-o do mesmo. CM 2007-07-04 - 00:23:00


Imposto sobre Veículos

Finanças travam descida nos carros
Comprar carro poderia ficar entre 1,26 e 7 por cento mais barato se o Estado prescindisse das receitas do IVA cobrado sobre o Imposto Sobre Veículos (ISV), que no primeiro dia do mês substituiu o Imposto Automóvel (IA). As contas foram feitas pela Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel (ANECRA) depois de a Comissão Europeia ter instado Portugal a pôr fim à cobrança de um imposto sobre outro imposto. CM 2007-07-04 - 00:00:00


Deco pondera acções judiciais
O Estado devia interromper de imediato a dupla tributação sobre os automóveis, seguindo a recomendação da Comissão Europeia, e reembolsar os contribuintes nos valores já cobrados e com os respectivos juros. Esta é a exigência da Deco, que na próxima semana irá decidir o que vai fazer na defesa dos consumidores. CM 2007-07-05 - 00:00:00 foto Manuel Moreira

as origens da quebra de popularidade do Governo...

Abertura de cartas não é crime ?

A delegação do Sindicato da Função Pública em Castelo Branco exigiu ontem a revogação da decisão da coordenadora da Sub-Região de Saúde local de abrir as cartas endereçadas aos funcionários daquele serviço. A nota da sub-região foi divulgada a 20 de Junho e pode, segundo considera o advogado António Marinho, configurar um crime de violação de correspondência. "Penso que esta nota vai ser revogada, até porque é por demais evidente que ela está ferida. Só com ordem de um tribunal se pode abrir correspondência [de terceiros]. De outra maneira, isto é crime", sustentou a dirigente sindical Cristina Hipólito. Face à polémica crescente, a Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) emitiu ontem um comunicado esclarecendo que a indicação para abertura de cartas de funcionários "visou, exclusivamente, introduzir rigor no procedimento organizativo da recepção e registo da correspondência oficial". O comunicado da ARSC detalha que, no seguimento da nota interna, "a correspondência dirigida em nome individual aos funcionários é aberta pelo respectivo destinatário, que determina o registo dessa mesma correspondência". Em contrapartida, conclui o comunicado, "a correspondência dirigida aos serviços, mas com conhecimento aos respectivos funcionários, é aberta, registada e encaminhada para o serviço em causa". JN Terça-feira, 3 de Julho de 2007

Casos na Função Pública penalizam o Governo ?
Na origem da quebra de popularidade do Governo poderá estar a sucessão dos mais recentes casos de afastamento ou de penalização de funcionários públicos no local de trabalho, analisou ontem o socialista Eduardo Vera Jardim no programa da Rádio Renascença "Falar Claro". "São casos que afectaram a imagem do Governo", sustentou o deputado. O também ex-ministro da Justiça sustenta que as denúncias podem surgir do próprio aparelho partidário do PS, designadamente ao nível local. "A verdade é que há uma reacção pouco sã dos aparelhos partidários a nomeações com as quais eles próprios não estão de acordo, e isso pode criar perigos, mas não são incitados pelo Governo".Vera Jardim que partilha com a social-democrata Manuela Ferreira Leite o espaço de debate moderado pelo jornalista Paulo Magalhães, sublinhou mesmo que "estes casos não são bons para o Governo" e declarou que os últimos números das sondagens, revelados pelo Diário de Notícias, "são o reflexo dessas situações negativas para a governação". JN Terça-feira, 3 de Julho de 2007 Isabel Teixeira da Mota foto Alfredo Cunha

Ministro sob fogo!

O direito à Saúde e a forma como está a ser feita a regulação do papel dos profissionais do sector é o tema do colóquio que hoje se realiza na Assembleia da República. Uma iniciativa do presidente do Parlamento que surge no dia seguinte ao PCP ter formulado a audição urgente do ministro Correia de Campos para esclarecer, na Assembleia, as razões da exoneração da directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho. Os comunistas consideram haver uma "deriva autoritária" por a exoneração estar relacionada com a não retirada de um cartaz, contendo um comentário "jocoso" a declarações do ministro. Aliás, também para hoje, o BE promete revelar que este não é caso único no sector da Saúde. JN Terça-feira, 3 de Julho de 2007

o PREC já acabou ?
PS rejeita ida de Correia de Campos ao Parlamento
O PCP formalizou ontem a entrega de um pedido de audição urgente do ministro da Saúde na Assembleia da República, para dar explicações sobre a exoneração da directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho. Mas alguns deputados socialistas da Comissão de Saúde mostram-se contrários à ida de Correia de Campos ao Parlamento. Ao DN, Victor Baptista assume: "Eu voto contra, não alimento coisas dessa natureza. Ouvir o ministro por causa dessa senhora? O tempo do PREC [Processo Revolucionário Em Curso] já acabou".

Para Manuel Pizarro, outro deputado do PS, também membro da Comissão de Saúde, "se o motivo da audiência é esse, é um não-motivo, parece-me que a oposição está a empolar o assunto". O líder parlamentar do PCP, Bernardino Soares, e outros deputados comunistas querem tentar apurar a verdade sobre a exoneração, em Janeiro, da directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho, Maria Celeste Cardoso, que alegadamente se terá recusado a retirar um cartaz afixado nas instalações e que teria frases jocosas contra o ministro. DN Terça-feira, 3 de Julho de 2007 FRANCISCO ALMEIDA LEITE

dar aulas... sem voz
O caso foi avaliado por uma junta médica, a 18 de Abril de 2006, sem que o paciente tivesse sido convocado. A 9 de Maio – e apesar do que consta da Tabela Nacional de Incapacidades – o professor recebeu o veredicto de que nada o impedia de exercer as suas funções.
Artur Silva apresentou-se na escola e só ficou livre de actividade lectiva porque o ano já se encontrava no fim. No início do ano lectivo “ainda participou nas reuniões preparatórias, mas as suas dificuldades eram óbvias”, reconhece a presidente do conselho executivo, Manuela Gomes.Artur Silva ainda escreveu uma carta ao director da Caixa Geral de Aposentações, em Setembro, mas o pedido voltou a ser indeferido. Três meses e meio depois morreu.

Este é o segundo caso conhecido de uma aposentação negada a um professor doente. Em Junho, uma professora de Aveiro, de 63 anos, a quem tinha sido diagnosticada uma leucemia, morreu sem que lhe tenha sido concedida a reforma.


Três meses e meio depois morreu!!! CM Terça-feira, 3 de Julho de 2007

Oh Costa! Portugal não está a arder...

Balanço positivo, com a ajuda de São Pedro

São Pedro deu uma ajuda e a chuva que caiu em Junho contribuiu para resultados positivos no combate a incêndios na Fase Bravo, que decorreu entre 15 de Maio e sábado, a área ardida equivaleu a menos de um décimo da média desde 2001 e o número de ocorrências ficou em cerca de metade. Desde o início do ano, arderam 1166 hectares e registou-se um total de 3190 fogos.Reconhecendo que o mês de Junho foi particularmente favorável (o 11.º mais chuvoso desde 1931), o secretário de Estado da Protecção Civil, Ascenso Simões, lembrou que os próximos meses devem ser encarados com "preocupação acrescida". A chuva faz aumentar os combustíveis finos e já para esta semana está previsto um aumento de temperatura - embora, como reconheceu o coordenador nacional JN Terça-feira, 3 de Julho de 2007 Fernando Timóteo

incêndio na Mata Nacional de Leiria

Fogo deflagrou perto de PortelaUm jovem de 19 anos de idade foi identificado como sendo o autor de um incêndio que deflagrou na Mata Nacional de Leiria, perto da Marinha Grande, anunciou hoje o Comando Distrital da PSP de Leiria.
Um pneu a arder foi encontrado pelos bombeiros chamados a combater o incêndio, que deflagrou por volta das 11h00 de ontem perto da localidade de Portela, junto à Marinha Grande
. Publico 03.07.2007 - 16h42 foto de Luís Efigénio

Silly Season


Fisco deixou escapar 500 milhões de euros em dívidas
A prescrição de dívidas fiscais atingiu, no ano passado, mais de 500 milhões de euros, de acordo com a Conta Geral do Estado de 2006, entregue pelo Ministério das Finanças à Assembleia da República. Trata-se de uma verba que já não será recuperada, uma vez que o direito a recebê-la já caducou, mas o Governo alega que tal não terá impacto nas contas públicas, já que são sobretudo dívidas que foram titularizadas por Manuela Ferreira Leite (vendidas ao Citigroup) JN Terça-feira, 3 de Julho de 2007

Mais de 1,2 mil milhões de euros não entraram nos cofres do Estado
O relatório mostra que mais 500 milhões de euros de dívidas fiscais acabaram por prescrever, enquanto mais de 700 milhões de euros de cobranças tiveram de ser restituídos aos contribuinte em virtude de reclamações, declarações de substituição e por decisões dos tribunais. CM Terça-feira, 3 de Julho de 2007

Estado já recebeu 33 milhões em 2007
... Até Maio, os cofres do Estado tinham arrecadado 33,1 milhões de euros resultantes de infracções ao Código da Estrada – mais 11,5 milhões do que em igual período do ano passado. Estes números representam um aumento de 53,2 por cento que, a manter- - se até final do ano, fazem antever uma receita de 91,4 milhões de euros, muito acima do máximo alcançado em 2004, ano em que a Direcção-Geral do Orçamento registou receitas de 66,7 milhões de euros resultantes de multas por infracções de trânsito (ver infografia). O dinheiro das multas é distribuído por três entidades: 60% revertem para o Estado; 20% para a DGV; e 20 % para a entidade autuante. CM Terça-feira, 3 de Julho de 2007

Silly Season


Dieta à moda do Paleolítico...
... para controlar níveis de açúcar no sangue

Estudo da Universidade de Lund Publico 03.07.2007 - 14h29 Andréia Azevedo Soares

Silly Season

Watergate
A sede do PSD/Porto, instalada na Rua de Guerra Junqueiro, foi assaltada, ontem, por um número indeterminado de indivíduos, tendo sido furtado o computador central que continha a base de dados do partido. Foi um funcionário quem deu conta do assalto, às 8.30 horas, tendo-se apercebido ainda de ruídos suspeitos, pelo que se admite que a investida tenha ocorrido momentos antes. JN Terça-feira, 3 de Julho de 2007 Carla Soares e Nuno Silva

Silly Season

disse Guterres ?

"É o Guterres que está ali,não é?". Num local ermo, guardado pela igreja que vela as gentes de Massarelos, Maria Leopoldina Sousa, 65 anos, observava o movimento nas imediações do imponente edifício da Alfândega. Os nomes dos políticos já a confundem, confessa. Ali, naquele bairro velho e típico do Porto, "o povo o que precisa é de casas para viver, não é de polícias e presidentes"."Tem a certeza de que viu o Guterres?". Maria Leopoldina coça a cabeça, mas havia de dizer que sim, que era ele. "Não seria o Sócrates?". Pensa outra vez. E outra. "Ah, sim, pois, era esse e o Guterres", acaba por concluir, iludida. JN Terça-feira, 3 de Julho de 2007 j. paulo coutinho

Angola/TAAG 1


disponivel ...
O ministro da Obras Públicas, Mário Lino, afirmou hoje que Portugal está disponível para colaborar com Angola na resolução dos problemas que poderão levar a transportadora aérea TAAG a ser incluída na lista negra da Comissão Europeia.
"Já manifestei ao governo de Angola a disponibilidade de Portugal para dar todo o apoio" para que as "eventuais dificuldades possam ser superadas", afirmou Mário Lino num encontro com jornalistas.
A inclusão da Transportadora Aérea Angolana (TAAG) na lista de companhias proibidas de voar no espaço aéreo europeu será adoptada pela Comissão Europeia esta quarta-feira e entrará em vigor na sexta, afirmou à agência Lusa fonte comunitária.
O gabinete do comissário europeu dos Transportes, Jacques Barrot, indicou que as actualizações à "lista negra" - entre as quais, a inclusão da TAAG -, que já mereceram o parecer favorável do comité de segurança aéreo da Comissão, serão formalmente adoptadas pelo executivo comunitário na habitual reunião de quarta-feira em Bruxelas
. Expresso terça-feira, 03 JUL 07

Angola/TAAG 2

Associação preocupada
A Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) está preocupada com a possibilidade de os voos da TAP para Angola serem cancelados, o que prejudicaria cerca de dois mil pessoas por semana.

A TAP foi notificada "verbalmente" de que, juntamente com outras companhias aéreas europeias, terá suspensos os seus voos para Luanda, a confirmar-se a interdição da TAAG na União Europeia.

"Na eventualidade de Bruxelas sancionar a recomendação dos peritos [do Comité de Segurança Aérea, na quarta-feira], Angola deverá aplicar a partir de sexta-feira uma medida idêntica que vai atingir sobremaneira a TAP, que efectua 7 voos por semana para Luanda", escreve hoje o Jornal de Angola citando a Rádio Voz da América. Expresso terça-feira, 03 JUL 07

terça-feira, 3 de julho de 2007

A origem da quebra de popularidade do Governo?


Abertura de cartas pode constituir crime

A delegação do Sindicato da Função Pública em Castelo Branco exigiu ontem a revogação da decisão da coordenadora da Sub-Região de Saúde local de abrir as cartas endereçadas aos funcionários daquele serviço. A nota da sub-região foi divulgada a 20 de Junho e pode, segundo considera o advogado António Marinho, configurar um crime de violação de correspondência. "Penso que esta nota vai ser revogada, até porque é por demais evidente que ela está ferida. Só com ordem de um tribunal se pode abrir correspondência [de terceiros]. De outra maneira, isto é crime", sustentou a dirigente sindical Cristina Hipólito. Face à polémica crescente, a Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) emitiu ontem um comunicado esclarecendo que a indicação para abertura de cartas de funcionários "visou, exclusivamente, introduzir rigor no procedimento organizativo da recepção e registo da correspondência oficial". O comunicado da ARSC detalha que, no seguimento da nota interna, "a correspondência dirigida em nome individual aos funcionários é aberta pelo respectivo destinatário, que determina o registo dessa mesma correspondência". Em contrapartida, conclui o comunicado, "a correspondência dirigida aos serviços, mas com conhecimento aos respectivos funcionários, é aberta, registada e encaminhada para o serviço em causa". JN Terça-feira, 3 de Julho de 2007

Casos na Função Pública penalizam o Governo... diz PS
Na origem da quebra de popularidade do Governo poderá estar a sucessão dos mais recentes casos de afastamento ou de penalização de funcionários públicos no local de trabalho, analisou ontem o socialista Eduardo Vera Jardim no programa da Rádio Renascença "Falar Claro". "São casos que afectaram a imagem do Governo", sustentou o deputado. O também ex-ministro da Justiça sustenta que as denúncias podem surgir do próprio aparelho partidário do PS, designadamente ao nível local. "A verdade é que há uma reacção pouco sã dos aparelhos partidários a nomeações com as quais eles próprios não estão de acordo, e isso pode criar perigos, mas não são incitados pelo Governo".Vera Jardim que partilha com a social-democrata Manuela Ferreira Leite o espaço de debate moderado pelo jornalista Paulo Magalhães, sublinhou mesmo que "estes casos não são bons para o Governo" e declarou que os últimos números das sondagens, revelados pelo Diário de Notícias, "são o reflexo dessas situações negativas para a governação". JN Terça-feira, 3 de Julho de 2007 Isabel Teixeira da Mota foto Alfredo Cunha

o PREC já acabou?


PS rejeita ida de Correia de Campos ao Parlamento
O PCP formalizou ontem a entrega de um pedido de audição urgente do ministro da Saúde na Assembleia da República, para dar explicações sobre a exoneração da directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho. Mas alguns deputados socialistas da Comissão de Saúde mostram-se contrários à ida de Correia de Campos ao Parlamento. Ao DN, Victor Baptista assume: "Eu voto contra, não alimento coisas dessa natureza. Ouvir o ministro por causa dessa senhora? O tempo do PREC [Processo Revolucionário Em Curso] já acabou".

Para Manuel Pizarro, outro deputado do PS, também membro da Comissão de Saúde, "se o motivo da audiência é esse, é um não-motivo, parece-me que a oposição está a empolar o assunto". O líder parlamentar do PCP, Bernardino Soares, e outros deputados comunistas querem tentar apurar a verdade sobre a exoneração, em Janeiro, da directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho, Maria Celeste Cardoso, que alegadamente se terá recusado a retirar um cartaz afixado nas instalações e que teria frases jocosas contra o ministro. DN Terça-feira, 3 de Julho de 2007 FRANCISCO ALMEIDA LEITE
foi mandado dar aulas... sem voz
Três meses e meio depois morreu!!!

O caso foi avaliado por uma junta médica, a 18 de Abril de 2006, sem que o paciente tivesse sido convocado. A 9 de Maio – e apesar do que consta da Tabela Nacional de Incapacidades – o professor recebeu o veredicto de que nada o impedia de exercer as suas funções.


Artur Silva apresentou-se na escola e só ficou livre de actividade lectiva porque o ano já se encontrava no fim. No início do ano lectivo “ainda participou nas reuniões preparatórias, mas as suas dificuldades eram óbvias”, reconhece a presidente do conselho executivo, Manuela Gomes. Artur Silva ainda escreveu uma carta ao director da Caixa Geral de Aposentações, em Setembro, mas o pedido voltou a ser indeferido. Três meses e meio depois morreu.



Este é o segundo caso conhecido de uma aposentação negada a um professor doente. Em Junho, uma professora de Aveiro, de 63 anos, a quem tinha sido diagnosticada uma leucemia, morreu sem que lhe tenha sido concedida a reforma. CM Terça-feira, 3 de Julho de 2007

Angola/TAAG 3


TAAG ameaça
A partir do momento em que a TAAG fique impedida de voar para a Europa, também a TAP deixará de poder voar para Angola. Contactada pelo Expresso, a transportadora portuguesa afirmou "desconhecer a existência de qualquer notificação". Expresso terça-feira, 03 JUL 07 Cristina Pombo

segunda-feira, 2 de julho de 2007

anedOTAs!


Ruído dos aviões da Portela afecta 27 mil pessoas

Estudo da Quercus
O ruído causado pelos aviões no aeroporto internacional da Portela afecta 27 mil pessoas, estima a Quercus, para quem este problema deve ser incluído no debate sobre a localização do futuro aeroporto. A comissão parlamentar de Obras Públicas recebe para a semana o LNEC, instituição que vai comparar Ota e Alcochete.
Os aeroportos arriscam-se a ser a face mais incómoda do ruído, problema que entrou na legislação portuguesa há 20 anos. Hoje em dia, a Portela afecta 27 mil moradores que suportam níveis médios de ruído entre os 55 e os 65 decibéis, acumulados ao barulho próprio de uma grande cidade.


Por vezes, ainda que apenas durante alguns segundos, este valor pode ultrapassar os cem decibéis. Segundo a legislação em vigor, o valor máximo médio terá de ser inferior a 65 decibéis, durante o dia.
As descolagens e aterragens da Portela afectam mais pessoas do que as outras possíveis localizações. No caso da Ota, o ruído iria afectar directamente 17.864 moradores e 1330 no caso do Campo de Tiro de Alcochete, na Margem Sul. Publico 02.07.2007 - 19h32 Lusa, Helena Geraldes

Dívida subiu 15 por cento... em 2006


A dívida do Serviço Nacional de Saúde (SNS) aumentou 14,6 por cento em 2006, para 1,1 mil milhões de euros, e o prazo de pagamento aos credores subiu para 3,8 meses, segundo a Conta Geral do Estado. Publico 02.07.2007 - 17h57 cartoon de Mort Gerberg(?)
Saúde atrasa apoiosRemédios:
O Ministério da Saúde adiou a entrada em vigor da redução para metade no preço dos medicamentos aos idosos que têm maiores dificuldades financeiras. CM 2007-07-02 - 00:00:00

Três meses para cirurgia a cancro...

A espera por uma cirurgia a um cancro pode chegar aos seis meses em Portugal, um tempo que viola claramente os padrões internacionais, segundo os quais a espera aceitável não pode ultrapassar as duas semanas. A denúncia é do Observatório Português dos Sistemas de Saúde, cujo mais recente relatório deverá ser apresentado esta semana. JN Segunda-feira, 2 de Julho de 2007
Cirurgia demora em média 3,5 meses
Hospitais sem resposta rápida para doentes oncológicos
“O problema do tempo de espera nos doentes oncológicos não é exclusivamente cirúrgico, envolve também o diagnóstico e as terapêuticas associadas à doença”, referiu ao Expresso Manuel Delgado, presidente da Associação de Administradores Hospitalares, a propósito de uma notícia sobre um relatório do Ministério de Saúde, divulgada hoje pelo jornal "Público".

Segundo o relatório do Ministério da Saúde, os doentes de cancro esperam em média 3,5 meses por uma cirurgia, um período que chega a atingir os sete meses em alguns hospitais do país. No entanto, e ainda de acordo com o "Público", Carmen Pignatelli, secretária de Estado Adjunta da Saúde, corrigiu o tempo médio de espera para os 1,4 meses, adiantando ainda que “os hospitais já estão a alterar comportamentos e serão alvo de auditorias aos procedimentos”.

Dos 4.075 doentes com cancro, inscritos em Outubro do ano passado para cirurgia, 42 por cento estavam em lista de espera há mais de dois meses e 27 por cento, há mais de quatro.
Expresso Segunda-feira 2 JUL última actualização 22:57Cristina Pombo

Engº Socrates falha... a «festa da democracia»


...
Quase todos os convidados, incluindo o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, entraram pela porta principal da Casa da Música.
Uma das poucas excepções foi José Sócrates, que assim evitou a recepção «sonora» que os manifestantes lhe tinham preparado.
...
Para o primeiro-ministro a «festa da democracia» também se faz com protestos. José Sócrates desvaloriza a contestação, que esta tarde, acompanhou a entrada dos representantes do Governo e da União Europeia na Casa da Música.
TSF Domingo, 1 de Julho de 2007

domingo, 1 de julho de 2007


Milhares de automóveis vão circular em Portugal sem o crivo de controlo das emissões de dióxido de carbono (CO2), isto porque os centros de inspecção não vão testar estas emissões durante as avaliações aos veículos. CM Ana Rita Estrompa 2007-07-01

Sismo


Sismo de magnitude cinco registado ao largo do Algarve

Um sismo de magnitude cinco na escala de Richter foi registado, ao início da noite, ao largo da costa sul portuguesa. Não há para já registo de eventuais danos causados pelo abalo. PUBLICO.PT 01.07.2007 - 22h45

os BUFOS:


Membro da JS denunciou cartaz polémico ao Partido Socialista
A sombra da delação e da perseguição política paira sobre o caso da exoneração da directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho, apesar de todas as negações oficiais. Antes de se fechar em "blackout" informativo, o líder da concelhia local do PS admitiu ter sido um membro da Juventude Socialista de Vieira do Minho o "cidadão" que pediu o Livro Amarelo do estabelecimento para se queixar do cartaz da polémica. Um cartaz que reproduzia uma entrevista do ministro da Saúde, publicada no JN a 6 de Agosto de 2006, dizendo que nunca iria a um serviço de antendimento permanente (SAP). Ivete Carneiro lisa soares JN Sábado, 30 de Junho de 2007

Incêndio em São Pedro de Moel


Entrou já em fase de rescaldo o incêndio que esta tarde deflagrou em terrenos da Mata Nacional de Leiria, junto a São Pedro de Moel, no concelho da Marinha Grande.
O incêndio, que deflagrou cerca das 16h30, é o primeiro de registo este Verão e ocorreu no arranque do período mais crítico dos incêndios florestais, que se irá prolongar até 30 de Setembro.
PUBLICO.PT 01.07.2007 - 22h02
Ministro da Saúde acusa ex-directora de "deslealdade" e "incapacidade"
O ministro da Saúde justificou hoje a exoneração da ex-directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho com a sua "deslealdade" e "incapacidade" para o cargo, depois de não ter mandado retirar um cartaz com um comentário considerado jocoso por Correia de Campos.
Em conferência de imprensa, o ministro disse que a ex-directora foi confrontada duas vezes pelas autoridades regionais de saúde sobre o comentário "jocoso" (que, segundo o ministro, o atacava politicamente) e, em ambas as situações, "transferiu as responsabilidades para terceiros". Publico 29.06.2007 - 13h56 Lusa


Despacho de Correia de Campos caiu mal no PS
A exoneração da directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho, por causa de um cartaz que gozava com declarações do ministro da Saúde, caiu mal entre muitos socialistas. Para quem Correia de Campos usou de "excesso de força", num caso que poderia ter sido resolvido de outra maneira. SUSETE FRANCISCO DN Sábado, 30 de Junho de 2007

Mário Soares:

Mário Soares considera que o Governo poderia ter evitado a polémica no caso da exoneração de Celeste Cardoso, a directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho. Em entrevista à SIC Notícias, o antigo Presidente da República e líder histórico do PS disse que a exoneração só prejudica o executivo de Sócrates. PUBLICO.PT 30.06.2007 - 10h17

Manuel Alegre:

exoneração ordenada por Correia de Campos é "desproporcionada" e "intolerante"

O deputado do PS Manuel Alegre considerou hoje "desproporcionada" e "intolerante" a decisão de Correia de Campos de exonerar a directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho que, segundo a tutela, se recusou a retirar um cartaz com um comentário considerado jocoso em relação ao ministro da Saúde. PUBLICO.PT 29.06.2007 - 09h12 Lusa

... doente quer trabalhar!!!

Afastada da escola por doença recorre à justiça

Luísa Lobão Moniz, professora do 1.º ciclo e coordenadora da Escola Luísa Neto Jorge, em Marvila, Lisboa, recorreu aos tribunais, contra a decisão da presidente do Conselho Executivo do Agrupamento de Escolas Damião de Góis, de a afastar "compulsivamente" do serviço docente. A professora, que esteve de baixa devido a um problema oncológico, foi intimada a comparecer a uma junta médica psiquiátrica e impedida de aparecer no estabelecimento de ensino até decisão da mesma. Pediu a intervenção superior da Direcção Regional de Educação de Lisboa (DREL) e do Ministério da Educação, mas não obteve uma resposta positiva no sentido de regressar.
A história remonta a Janeiro de 2006, quando Luísa, eleita no ano anterior para um mandato de três anos como coordenadora da escola, foi sujeita a uma intervenção cirúrgica no Instituto de Oncologia, seguida de recuperação lenta que a manteve afastada da escola até ao final do ano lectivo. Em Setembro de 2006 apresenta-se ao serviço no pleno das suas funções. A 21 do mesmo mês, apresenta novo atestado médico, por motivos de saúde relacionados com a mesma doença. Nesse mesmo dia é informada, telefonicamente, pela presidente do Conselho Executivo, Maria Teresa Pedro, que vai ser substituída até final do ano lectivo por outro professor, depois de uma reunião de docentes (contestada por Luísa Moniz) que terão votado nesse sentido. Esta decisão é lavrada numa declaração, subscrita a 25 de Setembro de 2006 por Maria Teresa Pedro, na qual realça que "esta substituição se deve apenas à debilidade física da professora Luísa Moniz já que é de uma enorme competência intelectual, que sempre tem posto ao serviço da sua escola e dos seus alunos".
Sem aceitar o afastamento compulsivo, Luísa Moniz retorna à sua escola a 27 de Outubro de 2006, depois de ter recorrido da decisão para a DREL. A directora de serviços daquele departamento, Júlia Araújo, assume, num despacho de 13 de Outubro de 2006, que "o facto de ter sido acometida de doença prolongada que a impossibilitou de exercer funções durante o ano lectivo transacto, e que continua a impossibilitar neste momento por se encontrar de atestado médico, não pode, de per si, ser motivo para a destituição do cargo". Diz ainda ser compreensível a eleição de um docente para coordenar a escola "durante a ausência da coordenadora".Luísa Lobão Moniz é confrontada, ao comparecer na escola dia 27 de Outubro de 2006, com um ofício da presidente do Conselho Executivo, no qual é intimada a comparecer a junta médica, e sem decisão da junta não poderá apresentar-se ao serviço. O invocado artigo legal diz: "Quando o comportamento do funcionário ou agente indiciar perturbação psíquica que comprometa o normal desempenho de funções."Luísa Moniz recusou comparecer à junta médica e interpôs uma providência cautelar junto do Tribunal Administrativo Fiscal de Sintra. Recorreu novamente para a DREL, sem que a decisão de comparecer na junta médica tenha sido contrariada. Por esse motivo, o processo encontra-se no Tribunal de Sintra.Contactada pelo DN, a presidente do Conselho Executivo, Teresa Pedro, recusou prestar declarações, tendo apenas dito que "as decisões são do conhecimento da DREL".
DN Domingo, 1 de Julho de 2007 PAULA SÁ

anedOTAs!

Ota vai acabar com ligação Porto/Lisboa

"A construção de um novo aeroporto influenciará todos os aeroportos do país", garante João Marrana, professor universitário e especialista na área dos Transportes. "Obviamente que, se existir um aeroporto na Ota, ou mesmo em Alcochete, as ligações aéreas entre Lisboa e o Porto desaparecerão, deixam de ser feitas por avião, uma vez que é mais prático para o passageiro apanhar um comboio directo para Lisboa ou para o Porto". A Ota, explica, implica mudanças de transporte e muito mais custos para o utente. Isabel Forte JN Sábado, 30 de Junho de 2007

Aeroporto Sá Carneiro ficará isolado sem uma estação do TGV
A Junta Metropolitana do Porto (JMP) contestou, ontem, o modelo de gestão anunciado pelo Governo para os aeroportos e reclamou para o de "Sá Carneiro" uma estação para o futuro transporte ferroviário de velocidade elevada, numa posição secundada por vários socialistas. Carla Soares e Isabel Forte JN Sábado, 30 de Junho de 2007

Hurrá! vereador socialista da CMPB, Ricardo Armada

Ministro da Saúde disponível para ir ao Parlamento
O ministro da Saúde irá ao Parlamento responder aos deputados sobre a polémica exoneração da directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho por causa de um cartaz que gozava com declarações do próprio governante. A oposição, que acusa o Governo de ser "intolerante à crítica", de estar a "asfixiar a democracia" e de perseguição política, já fez saber que exige mais explicações de Correia de Campos. A resposta é pronta: "O senhor ministro estará sempre disponível para ir à Assembleia da República", disse ao DN a sua assessora de imprensa.


Mário Soares diz que Governo sai prejudicado com decisão do ministro
"São coisas desagradáveis porque fazem mossa no Governo e são fáceis de contestar. E acho que devia ter sido evitado, porque há certas coisas que não se devem fazer e, em vez de disciplinar, indisciplinam", defendeu o antigo presidente da República numa entrevista à SIC Notícias.

Correia de Campos considera que as críticas de perseguição política "são completamente infundadas". O ministro da Saúde diz que Maria Celeste Cardoso "demonstrou incapacidade para o exercício do cargo ao não impedir que uma sala de espera fosse utilizada como um local para a batalha política" e que "violou o dever de lealdade e isenção política". O cartaz - uma fotocópia de uma entrevista do ministro ao JN em que este dizia: "Nunca vou a um SAP nem nunca irei!" - foi colocado pelo médico António Salgado Almeida, afecto à CDU. Que assumiu ter acrescentado o comentário: "Atenção! Você está num SAP! Fuja! Faça como o ministro da Saúde deste país e corra para a Urgência de Braga."

A directora do centro foi substituída pelo vereador socialista da Câmara de Ponte da Barca, Ricardo Armada. DN Domingo, 1 de Julho de 2007 GRAÇA HENRIQUES e SUSETE FRANCISCO

a 3ª Grande Guerra já começou?

Reino Unido em alerta máximo após atentado terrorista
A decisão de subir o alerta para atentados terroristas no Reino Unido foi anunciada pela ministra britânica do Interior no final de uma reunião de emergência do comité Cobra.
A entidade governamental máxima para questões de segurança foi convocada por Gordon Brown na sequência do incidente que fez hoje evacuar o aeroporto de Glasgow, na Escócia.
Até ao momento, a polícia escocesa não estabeleceu qualquer relação entre esta ocorrência e a descoberta de dois carros-bomba ontem no centro de Londres.
A subida do alerta ocorre num fim-de-semana de grandes eventos como o torneio de Wimbledon, a marcha do Orgulho Gay, e o concerto de homenagem a Diana.
SOL Sábado, 30 Junho

... o TÚNEL DO MARQUÊS


Primeiro balanço
Dois meses depois da sua abertura, o túnel do Marquês, uma das mais polémicas obras de Lisboa, satisfaz o
"freguês". Valentina Marcelino Expresso Sábado 30 JUN

julho,1, 2005

Sexta-feira, 1 de Julho de 2005
Relatório Constâncio tem "gralha" que lança dúvida sobre défice publico publico
Correcção conduz a défice de 6,72 por cento em vez de 6,83
Se eu for condenada, não tenho a menor dúvida de que terei muita coisa para revelar e muitos colegas seus estarão sentados comigo no banco dos réus", afirmou hoje Teresa Sousa, dirigindo-se à procuradora do Ministério Público Manuela Ribeiro, durante as alegações finais, que decorreram no Tribunal da Boa-Hora, em Lisboa. CM
O ministro da Economia e da Inovação, Manuel Pinho, afirmou hoje que, até ao final da legislatura, em 2009, o Governo recusará a viabilização de qualquer projecto para introduzir a energia nuclear em Portugal.expresso
...os espaços de artigos eróticos são bastante apreciados, mas poucos se ‘atrevem’ a comprar... Em todos eles, os vibradores ocupam lugar de destaque, sendo o ‘último modelo’, a pilhas, o que mais de distingue: roda sobre si mesmo e emite uma luz de forma intermitente....Ao invés, o espaço ‘gay’ esteve sempre vazio e o ‘Cine Paraíso’, com as fitas mais picantes do momento, também não atraíram muita atenção.CM