terça-feira, 31 de janeiro de 2012

práticas ilícitas na Justiça?

A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, disse ter encontrado muito maus negócios com sinais de ilicitude, com indícios de crime em parcerias público-privadas na área da Justiça.
Sem nunca falar em gestão danosa, a actual titular da pasta da Justiça apontou o dedo ao anterior Governo pelos contratos lesivos para o Estado e garantiu que a renegociação de contratos nos últimos seis meses já levou a uma poupança de seis milhões de euros.
Teixeira da Cruz confirmou já ter enviado aqueles casos para a Procuradoria-geral da República. tsf  

Alberto Martins, a propósito das declarações da actual ministra, afirma que é importante investigar, mas também ser «sério», a ministra não devia «fazer declarações sem haver consistência em termos conclusivos. Porque «quando há dúvidas de natureza criminal há órgãos competentes para as tirar e, portanto, ninguém tem o direito de se pronunciar antes dessas conclusões» e ninguém deve esconder-se «atrás da demagogia» para «justificar as suas fragilidades»...

O "Correio da Manhã" escrevia, em 14 de Junho de 2011, que a Polícia Judiciária executara um mandato de busca no Ministério da Justiça, onde foram apreendidos diversos documentos, no processo onde Alberto Martins, na altura ministro da Justiça, é suspeito de ter favorecido a mulher. Ainda não há arguidos no processo, tanto mais que Alberto Martins goza de imunidade parlamentar, e a mulher, por ser magistrada do Ministério Público, também beneficia de um foro especial para poder ser investigada.

Comentador Seguro

Seguro comenta um segundo resgate a Portugal afirmando que tal representaria um falhanço do Governo.



Cercado de pequenos médios e mediocres foi gravado pela TSF. Genial! Há se eu fosse primeiro...

domingo, 29 de janeiro de 2012

A praga das fontes anónimas e o jornalismo de vão de escada ou CAVAQUISTAS PASSARAM À HISTÓRIA


Será difícil aos cavaquistas perceberem de uma vez por todas que o seu tempo político já passou à história. Já tiveram os seus "cinco" minutos de fama quando andaram a construir auto-estradas por tudo o que era montes e vales para ficar mais dispendioso. Será que os cavaquistas ainda não se convenceram que o BPN, o maior cancro do país, é obra sua? O povo foi a eleições e escolheu Passos Coelho. Nas próximas eleições, se o governo for mau, logo levam com o castigo respectivo, mas andar a aturar os cavaquistas com uma guerra subversiva é que parece fobia de macaco por banana. por João E. Severino no pau para toda a obra



QUANDO os jornais se questionam por que razão têm cada vez menos leitores, talvez fosse boa ideia deixarem de fazer artigos como este, onde fontes anónimas dizem o que lhes apetece e criticam quem querem, como se no jornalismo sério as fontes não identificadas pudessem ter opinião…por António Granado no Ponto Media

Comentador Seguro

esta semana e "à margem de qualquer coisa":
Seguro, criticou este o programa de assistência financeira à Madeira, por insistir na "receita de empobrecimento" aplicada no Continente.
Seguro, mostrou-se preocupado com as notícias relativas aos serviços secretos nacionais.
Seguro, desafiou o primeiro-ministro a fazer um esclarecimento sobre as "secretas".
Seguro, defendeu a abertura de um amplo debate no Parlamento sobre transparência na vida pública e política e a eventual importância de se especificarem ligações a obediências maçónicas.
Seguro, reprovou a proposta de reformulação do mapa judiciário, que prevê apenas um tribunal por distrito.
Seguro, considera que as declarações do Presidente da República revelam algum distanciamento em relação ao posicionamento da União Europeia.
Seguro, reputa "fundamental" que o primeiro-ministro tome iniciativas para fazer os outros líderes europeus actuar.

Seguro, não ouve, não vê, nem aprende, mas já deixou a frase batida “se eu fosse primeiro-ministro…”.
Aqui Francisco Assis comenta, replica e propõe. Vale a pena comparar…

a “inegável” ética da esquerda…

No último mês de Dezembro, Miguel Sousa Tavares publicou um artigo laudatório do antigo Primeiro-Ministro José Sócrates, com o título O Fantasma de Paris, que tem sido replicado em vários blogues socratistas. Raras vezes vi um artigo com tantos erros factuais. Só na primeira metade do artigo, temos isto:

(…) José Sócrates começou a governar em 2004, recebendo um país com défice de 6,2% (…).
Começou a governar em Março de 2005 e recebeu um défice de 3,4%.

(…) após dois governos PSD/CDS, numa altura em que não havia crise alguma nem problema algum na economia e nos mercados. (…)
Portugal esteve em recessão em 2003, e o crescimento do PIB vinha em queda desde 1998.

(…) Manuela Ferreira Leite e Bagão Félix, foram pioneiros na descoberta de truques de engenharia orçamental para encobrir a verdadeira dimensão das coisas: despesas para o ano seguinte e receitas antecipadas (…)
A antecipação de receitas foi prática corrente dos governos de Guterres – a começar pelo Pagamento Especial por Conta. A principal alínea de desorçamentação – as SCUTS – despesas atiradas para o futuro, foi também uma invenção dos governos de Guterres.

(…) Em 2008, quando terminou o seu primeiro mandato e se reapresentou a eleições, o governo de José Sócrates tinha baixado o défice para 2,8%, sendo o primeiro em muitos anos a cumprir as regras da moeda única. (…)
Em 2008 o défice foi de 3,7%. No mesmo ano, a dívida pública (mesmo sem contar com a dívida desorçamentada) estava em 71,6%, acima dos 60% das “regras da moeda única”. Desde que Cavaco Silva deixou de ser Primeiro-Ministro, Sócrates, conseguir os 3 piores défices. Sócrates teve 5 anos em 6 com défice acima de 3,5%. (aconteceu em 3 anos de Guterres).
(…) E quando se chegou às eleições, o défice nem foi tema de campanha, substituído pelo da “ameaça às liberdades” (…)
Absurdo. Basta recordar este debate:

“…não me lembro de alguém ter questionado, nesse ano de 2009, a política despesista que Sócrates adoptou a conselho de Bruxelas.”
Entre muitos, muitos outros, lembro o manifesto assinado por 28 economistas.

“Pelo contrário, quando Teixeira dos Santos (…) começou a avançar com o PEC, todo o país – partidário, autárquico, empresarial, corporativo e civil – se levantou, indignado, a protestar contra os “sacrifícios” e a suave subida de impostos.”
Muita gente protestou não contra os sacrifícios mas contra a incipiência das medidas. Por exemplo, este blog.
“Passos Coelho quase chorou, a pedir desculpa aos portugueses por viabilizar o PEC 3 que subia as taxas máximas de IRS de 45 para 46,5% (que saudades!)”

Não há motivo para saudades. A taxa máxima de IRS continua em 46,5%.

O resto do artigo é mais opinativo e menos “factual”. Mas compreende-se que partindo de tantos pressupostos errados, as opiniões não possam valer grande coisa. por jcd no Blasfemias

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

ainda pior que na Madeira...

No total, a dívida dos municípios é de oito mil milhões de euros, sendo que três mil milhões são dívida de longo prazo, o que acaba por ter peso na situação da banca.
Um terço das 308 câmaras tem problemas sistémicos e 38 municípios são responsáveis por 30% da dívida superior a 90 dias. Essa dívida – entre 90 dias a um ano, geralmente a fornecedores de bens ou serviços – é a que mais preocupa a troika, pois tem como efeito o estrangulamento da economia local. rr

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

o mistério dos dependentes no IRS

Desapareceram 111.400 dependentes das declarações de IRS desde que, há um ano, passou a ser obrigatório que as crianças tenham número de contribuinte para serem consideradas nas declarações fiscais dos pais. Os números foram apurados pelo Ministério das Finanças, segundo avança hoje o “Jornal de Negócios”.
O “desaparecimento” ocorreu de 2009 para 2010 e parece indicar que havia famílias que declaravam filhos inexistentes.
O Ministério das Finanças garantiu à Renascença que já recuperou aqueles montantes indevidamente deduzidos.

Ano do Dragão


No ano do dragão, as fortunas assim como os desastres virão em ondas maciças. Este é um ano marcado por muitas surpresas e actos violentos da natureza. Os temperamentos alargar-se-ão ao mundo excedente e todos estarão encenando alguma revolta real ou imaginária de encontro às suas constrições. A atmosfera eléctrica criada pelo poderoso dragão afectar-nos-á, de forma individual e colectiva, em tudo e a todos.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Os pulhas islandeses presos e o canalha-mor ainda à solta

Enquanto por aqui continuamos a angariar assinaturas para levar socrates á justiça, os Islandeses já meteram alguns dos responsáveis pela crise na prisão.
Nos "media" nada aparece sobre isto, porque será?...
Lá, sim, há democracia. Não há maçonarias a controlar a justiça e a informação. Por alguma razão, há ano e tal que não se diz nem se escreve uma palavra sobre a Islândia.
Bem se vê que os jornalistas são os cães de guarda da escumalha politica que por aqui se instalou. Se não fosse a Internet, nada saberíamos sobre o que por lá se vai passando.

RESPONSÁVEIS PELA CRISE ISLANDESA COMEÇAM A SER PRESOS
Julgamento a sério dos culpados de crimes financeiros contra a Pátria?...
Enfim, a Islândia é outra sociedade, uma democracia a sério. não há cá luxos desses...
Os directores de bancos islandeses que arrastaram o país para a bancarrota em finais de 2009 foram presos por ordem das autoridades, sob a acusação de conduta bancária criminosa e cumplicidade na bancarrota da Islândia.
Os dois arriscam-se a uma pena de pelo menos oito anos de cadeia, bem como à confiscação de todos os bens a favor do Estado e ao pagamento de grandes indemnizações.
A imprensa islandesa avança que estas são as primeiras de uma longa lista de detenções de responsáveis pela ruína do país, na sequência do colapso bancário e financeiro da Islândia.
Na lista de possíveis detenções nos próximos dias e semanas estão mais de 125 personalidades da antiga elite política, bancária e financeira, com destaque para o ex-ministro da Banca, o ex-ministro das Finanças, dois antigos primeiros-ministros e o ex-governador do banco central.
A hipótese de cadeia e confiscação de bens paira também sobre uma dezena de antigos deputados, cerca de 40 gestores e administradores bancários, o antigo director da Banca, os responsáveis pela direcção-geral de Crédito e vários gestores de empresas que facilitaram a fuga de fortunas para o estrangeiro nos dias que antecederam a declaração da bancarrota.
Em Outubro de 2008, o sistema bancário islandês, cujos activos representavam o equivalente a dez vezes o Produto Interno Bruto do país, implodiu, provocando a desvalorização acentuada da moeda e uma crise económica inédita.
Em resultado desta tomada de poder pelas forças representativas da sociedade finlandesa, a isto chama-se DEMOCRACIA, hoje este país está em franca recuperação e é um dos poucos que na Europa apresenta níveis de crescimento positivo. 
Nós, por cá, continuamos a fazer um esforço considerável para ver se pelo menos incomodamos alguns dos coveiros do País.
Vamos agarrar a possibilidade de exigir o julgamento de j.socrates.
Assine a petição e divulgue o máximo possível.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Governo vai perseguir penalmente os políticos que não cumpram orçamentos

Vamos fazer uma mudança que chamamos Lei de Transparência de Governo. Vamos exigir responsabilidades penais para os gestores públicos. Um gestor público não pode gastar além dos limites que tenha no seu orçamento” porque se o fizer estará a “falsificar a contabilidade pública e a guardar facturas numa gaveta que depois se tornam impagáveis”. Cristóbal Montoro, ministro espanhol da Fazenda.

industria da greve sem crise...na CP

O Sindicato Nacional dos Maquinistas (SMAQ) decidiu prolongar até 29 de Fevereiro a greve ao trabalho em horas extraordinárias, dias de descanso semanal e feriados, disse à Lusa o presidente daquela estrutura sindical, António Medeiros. economico

sem duvida um enorme contributo para o "bem comum"... deles, claro!

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

premoniçoes

O preço dos transportes públicos pode vir a sofrer três aumentos durante este ano. O alerta é da Federação Nacional dos Sindicatos dos Transportes (FECTRANS), com base no plano estratégico dos transportes pedido pelo Governo.
Além do aumento anual previsto, em linha com a inflação, José Manuel Oliveira, dirigente da FECTRANS, diz que haverá um aumento significativo das tarifas, com a redução da oferta de transportes.
O dirigente sindical dá como exemplo o que se vai passar na Transtejo: “O próprio estudo refere que na travessia fluvial, nos serviços prestados pela Transtejo, se aponta para aumentos na ordem dos 115%”. rr
ás vezes as pitonizas acertavam...

Boys & Girls

O PS acusa o Governo de ter nomeado mais gente do que o anterior executivo. O Governo responde que, excluindo os gabinetes dos ministros e dos secretários de Estado, nomeou 1.110 pessoas, mas apenas 190 correspondem a novas nomeações.
Esta enjoativa controvérsia repete-se há décadas. Com o enfraquecimento das ideologias, os partidos tornaram-se agências de empregos. Empregos, naturalmente, na área dominada directa ou indirectamente pelo Estado. Ou seja, somos nós, contribuintes, a pagar o emprego das clientelas partidárias.
Seria saudável reduzir drasticamente o número de lugares dependentes de nomeação governamental. Compreende-se que nos gabinetes de membros do Governo estejam pessoas da confiança política dos governantes. Mas a Administração Pública deveria ser despartidarizada. Por exemplo, os directores-gerais não mudariam quando muda o Governo.
Foi assim que a França de III e da IV Repúblicas compensou a enorme instabilidade governamental. Instabilidade que, embora em menor grau, também tem existido na democracia portuguesa. por Francisco Sarsfield Cabral  rr

Comentador Relvas

Miguel Relvas, de Angola, comentou que os "desafios" que Portugal tem pela frente "são desafios do país no seu todo. Não são desafios do governo, são de todos os portugueses. Ao Governo cabe traçar directrizes e é muito positivo um governo que sabe ouvir e que sabe decidir".  publico.pt

sempre atento...mesmo quando em "altos negócios"

deputado Tiririca

O deputado do PTP-Madeira, José Manuel Coelho voltou a perturbar os trabalhos do plenário da Assembleia Legislativa da região ao ocupar a cadeira destinada ao presidente do Governo madeirense, exibindo uma foto de Alberto João Jardim. 

O presidente da Assembleia da Madeira, Miguel Mendonça, ordenou a José Manuel Coelho que retomasse o seu lugar e deixasse "este tipo de cenas para a rua".
O deputado do CDS/PP-Madeira, Martinho Câmara, declarou que a sua bancada vai apoiar "as decisões do presidente da ALM" neste tipo de cenas que afitam o normal funcionamento do parlamento, afirmando: "Se for preciso pôr algum deputado na rua conte com o CDS".
Roberto Silva (MPT) lamentou a situação, dizendo ser "um escândalo dois funcionários terem sido agredidos por José Manuel Coelho no seu local de trabalho".
O líder parlamentar do PS-M, Carlos Pereira, declarou "solidariedade aos funcionários que tiveram intervenção neste lamentável incidente". "Sabemos que há problemas graves no funcionamento da democracia e no Parlamento, mas não admitimos que sejam resolvidos com actos de violência sobre pessoas inocentes".
Savino Correia, da bancada do PSD, censurou igualmente o "caminho de palhaçada que serve para desfocar" do que é essencial discutir, opinando que esta atitude de José Manuel Coelho é uma "forma hipócrita, doentia que desvia atenção para uma questão de lana-caprina". noticias.pt

a SOPA pára a Wikipedia

Das 05:00 da manhã de quarta-feira às 05:00 da manhã de quinta (horas de Lisboa), a Wikipedia vai encerrar, à semelhança de outros serviços, como o reddit, depois de Jimmy Wales o ter anunciado na sua conta de Twitter: "Espero que a Wikipedia derreta os sistemas telefónicos em Washington na quarta-feira. Digam a toda a gente que conhecerem!"

A proposta de lei "Parem a pirataria online" ("Stop Online Piracy Act", ou SOPA, no acrónimo original) tem sido fortemente contestada nos Estados Unidos, desde ativistas a empresas de Silicon Valley, tendo a Casa Branca mostrado a sua oposição na semana passada.
Enquanto várias empresas de conteúdos encaram a lei como importante para a proteção dos direitos de autor, as tecnológicas opõem-se ao documento pelo que alegam ser uma intrusão no seu trabalho. dn

domingo, 15 de janeiro de 2012

petição para o Ministério Público


O blogue "Força Emergente" apela à assinatura da petição para o Mº Pº investigar o Governo de José Sócrates e onde foram gastos os dinheiros públicos.



Manuel Fraga Iribarne




1922 - 2012

Comentador Seguro

"Se eu fosse primeiro-ministro de Portugal neste momento teria um relacionamento com a Madeira completamente diferente daquele que o actual primeiro-ministro tem tido até este momento".
«Esta é a quarta vez que, em seis meses, estou na Madeira e isto faz toda a diferença em relação ao primeiro-ministro», afirmou e logo comentou:
«eu sei que a política está cheia de palavras que perdem conteúdo e significado. Por isso, para testemunhar a veracidade desta minha convicção e destas minhas palavras, quero chamar à atenção para o facto de esta ser a terceira vez que estou na Madeira como líder do PS».
Seguro que falava, na sessão de encerramento do Congresso Regional, nas vésperas da assinatura do Programa de Assistência à Região Autónoma sustentou:
"Eu quero dizer, aqui e de uma forma bastante clara, que desejo rapidamente que seja assinado o acordo de assistência financeira à Madeira, não um programa qualquer, mas um programa que tenha como objectivo principal ajudar a recuperar a credibilidade da Madeira, que ajude a Madeira a pagar a divida mas que o faça em condições de exequibilidade, que o faça com sensibilidade social".

AJSeguro continua a repetir, em todos os jantares, presépios e encerramentos, “aqui e de uma forma bastante clara” que “se eu fosse primeiro-ministro de Portugal".
Depois descobrimos que não será “primeiro-ministro”, nem “claro” e muito menos “seguro” enquanto comentador a posteriori porque aquilo que precisamos são soluções a priori...
Será que esta táctica, já usada por Passos Coelho, vai de novo enganar os votantes? Duvido!
Não se entende a referencia “esta é a quarta vez que, em seis meses, estou na Madeira” quando o resultado das três primeiras foi uma descida de quase 15% nos resultados eleitorais, menos 3 deputados e a passagem a 3º partido regional....  

Comentador Relvas

A resposta às agências de 'rating', que cortaram na sexta-feira a nota de Portugal para um nível já considerado lixo ('junk'), precisa de ser dada pela União Europeia, comentou Relvas... em Luanda:
"A resposta já não é uma resposta que tenha que ser dada por Portugal. É uma resposta que tem de ser dada por todos os países da União Europeia. E o que se passou ontem (sexta-feira) tem também a dimensão de ter condicionado a posição em relação a países com importância na Europa, como a França".
"Portugal já há 6 meses, Espanha e a Itália agora, estão no caminho certo com políticas de contenção da despesa publica, de reequilíbrios dos orçamentos. O que se passa com as agências de 'rating' tem também muito a ver, não só com uma visão financeira, mas também com a circunstância e o modelo em relação à Europa", acrescentou com brilhantismo...de lider de governo!

sábado, 14 de janeiro de 2012

Comentadora Drago

Ana Drago considerou que a renegociação da descida dos juros da ajuda financeira externa a Portugal "vai ser muito mais difícil", numa altura em que o País "estará mais acossado pelos mercados financeiros".
"Passos Coelho deveria ter aproveitado tempos anteriores para fazer uma renegociação dos juros das 'tranches' de dinheiro que têm chegado a Portugal, e que são muito elevados", comentou, sustentando que "agora vai ser muito mais difícil renegociar a descida dos juros num contexto em que Portugal estará muito mais acossado pelos mercados financeiros", comentou a bonita deputada.... 

genial...depois destas brilhantes observações quem precisará do comentador Louçã!

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

baby boys

«anda a circular este email sobre os "Jotas". é de ler e espalhar. «O que levará estes jovens a ter estes empregos e estes ordenados , MUITO SUPERIORES À MÉDIA da difamada função pública? JSD,JCDS!!!! papás importantes, defensores da teoria da necessidade do abandono do conforto e da emigração. Os filhos dos pobres é que precisam de emigrar... os dos bois não Há jovens que não precisam de emigrar e não vão ficar sem o 13.º e 14.º mês. Lista de 29 assessores / adjuntos de Ministérios, todos de idade inferior a 30 anos, havendo 14 "especialistas" com idades entre os 24 e os 25 anos. A prova de que quem anda nas "Jotas", não fica no desemprego! Fonte: http://www.portugal.gov.pt/

Lista (in)completa dos baby boys AQUI
Um notável serviço público de Pedro Almeida Sande no Causa Vossa a não perder.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

o Governo está a meter água...



Perdoe-me o Dr. Medina Carreira (que só o aguenta dois minutos) mas eu só o aguentei 1 minuto e 28 segundos...

a “folga”...

Afinal a tão propalada folga não durou um mês. Tempo suficiente para a realidade mostrar o estado verdadeiramente comatoso das contas públicas em Portugal.
...
O acento tónico que o PS pôs nesta tecla há pouco mais de um mês mostra como é difícil fazer uma reforma do Estado em Portugal: Zorrinho e seus pares de bancada, com a insistência na ideia de que era possível poupar o país ao corte de 50% no subsídio de Natal de 2011, arrastou Seguro para fora de pé. E deixou-o ficar, agora, muito mal na fotografia. in Cadê a folga Tó Zé, cadê a folga? Por Camilo Lourenço no Jornal de Negocios

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Contra a corrente e contra a presunção de incompetência

PS indigna-se com nomeações de militantes do PSD e do CDS. PSD e CDS indignaram-se com nomeações de militantes do PS. PCP e BE indignam-se com nomeações de todos, exceto nas autarquias que governam. Ninguém se indigna com nomeações de personagens descoloridas e desconhecidas que nunca tenham defendido nenhuma causa em público. Todos aplaudem ou se calam com nomeações cinzentas fabricadas em sacristias, lojas, tertúlias, bancadas de estádios de futebol ou mesinhas de bar ou, simplesmente, no berço. Sem falsas ingenuidades, anda por aí tanta nomeação absurda quanta indignação selectiva. E, quando espreito as síntese do DR não vejo assim tantos currículos brilhantes nos desconhecidos que ninguém contesta. A presunção de incompetência de quem tem a coragem de ter posições irrita-me, até porque ao contrário de outras, a mentira sobre a incompetência "dos políticos", repetida ao longo dos anos, arrisca-se a tornar-se verdade na mudança de gerações. Ou como diria a nova personalidade reverenciada na sede do meu partido, a má moeda... Se tivessem 18 anos hoje, Soares, Sá Carneiro, Amaro da Costa ou Cunhal adeririam a um partido? Começo a duvidar. por Paulo Pedroso no Banco Corrido

uma peça notável para ler e, principalmente, meditar!

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Comentador Soares

Mário Soares, recordando que, quando foi primeiro-ministro, o país recorreu duas vezes ao Fundo Monetário Internacional, rejeitou, esta terça-feira à tarde, "uma situação de dependência" de Portugal face à troika, deseja que o país saiba "bater o pé quando é preciso" e considerou que Portugal "não tem que empobrecer" para pagar as suas dívidas", mas sim "enriquecer", colocou a tónica na criação de postos de trabalho para inverter o elevado desemprego.
O ex-presidente da República, a exemplo de Berlusconi, referiu que "a senhora Merkel, com quem não simpatizo", apesar de "ser sorridente e gordinha", tem "uma concepção de vida que deve ter aprendido na Alemanha do Leste quando era dominada por comunistas", concluindo que a Merkel "tem uma ideia muito estranha para a Europa", nomeadamente quando disse que "os gregos são preguiçosos", resistindo a ajudar financeiramente o país. jn

comércio das manifs sem crise...

Se estavamos a habituarnos à “indústria da greve sem crise”, depois da manif do PC contra as marcas brancas dos hipermercados, eis que se segue outra:
Cerca de meia centena de bombeiros voluntários protestaram ao final da tarde em Lisboa contra o fim do direito à isenção nas taxas moderadoras, uma decisão que dizem ser uma “machadada no voluntariado em Portugal”.
Assim, porque diferentes das greves, vou criar o “comércio das manifs sem crise”...pensando um pouco verão que existem razões para a diferença, porque “há uns mais iguais que outros”.

domingo, 8 de janeiro de 2012

Comentador Seguro

AJSeguro à margem de uma visita ao Presépio Vivo de Priscos lembrou-nos que as nomeações propostas para o Conselho de Supervisão da EDP demonstram "mais uma promessa" de Passos Coelho, feita durante a campanha eleitoral, "não está a ser comprida".
"Considero que isto é mais uma demonstração daquilo que é a apropriação por parte das clientelas dos partidos do governo em relação a áreas importantes da nossa economia, onde o Estado ainda tem participação mas também do próprio aparelho do Estado", comentou Seguro, seguramente visando implicitamente o seu antecessor e explicitamente Passos Coelho. Dois coelhos numa cajadada..

No seu comentário semanal, a que os jantaristas que o transcrevem chamam de “à margem”, Seguro, que não se recorda de nada com mais de seis meses de idade, chama-nos a atenção para outra argolada do lider e do partido que ganhou as eleições de Junho, embora a “campanha eleitoral” tenha continuado como se as não tivesse havido.
Lamentavelmente Seguro segue o caminho dos seus “colegas” comentadores que se sentem creditados para criticar o PPC quando, pelos mesmos motivos e identicas nomeações partidárias, nunca, até agora, o haviam feito ao “Doutor Engº” Pinto de Sousa.
Seguro tem razão e por isso espera-se que, antes de tudo, seja ouvido no seu partido.

democracia à alemã...do leste

Uma recente investigação divulgada pelo 'Wall Street Journal", que entrevistou dezenas de políticos e consultou grande número de documentos, revela que Agela Merkel,  "disse ao Presidente Italiano, Giorgio Napolitano,  86 anos, que os esforços para reduzir o défice por parte de Itália eram 'apreciados', mas que a Europa queria realmente ver reformas mais agressivas para relançar o crescimento. E disse que estava preocupada com o facto de Berlusconi não ser suficientemente forte para o fazer". baseado em notícia do DN
Após as indicações da chancelerina, o idoso Napolitano, ex-PCI, iniciou as “consultas” com politicos e partidos com assento parlamentar, porventura para os informar da “conversa” com a alemã. Berlusconi acaba por perder, de forma humilhante, no dia 8 de Novembro, a maioria absoluta que detinha no Parlamento, tendo-se demitido, pouco tempo depois.
Foi assim que o Governo, mal ou bem, mas democraticamente eleito, de Berlusconni, foi substituído pela equipa "tecnocrata" de Mario Monti, um ex-Goldmam Sachs e ex-comissário Europeu, que já anunciou um violento plano de austeridade para Itália.
Curiosamente a chamada esquerda italiana, com pouca expressão no Parlamento Italiano aplaudiu!
Afinal é uma nova “democracia à Merkel” que pretende dar outra forma à conhecida expressão de Churchill: "A democracia é a pior forma de governo, salvo todas as demais formas que têm sido experimentadas de tempos em tempos"...
Este novo formato de democracia à alemã, com nomeações sem eleições, eventualmente, também foi aplicado à Republica Helénica com a equipa Papademos, um ex-Goldman Sachs, tecnocratas e extrema-direita, que tem conseguido ainda piores resultados que os de Monti em Itália .
Neste caso a com a direita e a esquerda, minoritárias no Parlamento, a aplaudir e a extrema-direita aliada a Papademos...
Não se sabe se a Angela Merlkel já falou com Cavaco Silva mas a manutenção da campanha eleitoral pelas esquerdas pode augurarar-nos proximamente um Primeiro-Ministro ex-Goldman Sachs...

Comentador Relvas

Miguel Relvas, defende que Portugal deve "olhar para outros mundos" e menos para a Europa e valorizou a existência de uma nova emigração protagonizada por uma "juventude bem preparada".
"Se nós olharmos para a nossa história, sabemos que sempre que nos encostaram ao oceano foram os momentos de maior glória da nossa história" e "a verdade é que nos últimos 20 anos estivemos demasiado preocupados com a Europa". comentou.

no comments ou, melhor, isto será uma aproximação a uma possivel saida da "europa"? Ou só do Euro?

industria da greve sem crise!

Os trabalhadores dos portos de Viana do Castelo, de Aveiro, da Figueira da Foz, de Lisboa, de Setúbal, de Sines e do Caniçal (Madeira) iniciam amanhã uma greve de cinco dias, que causará prejuízos de "dezenas de milhões de euros", segundo os Agentes de Navegação.
A greve terá início à meia-noite de dia 09 e terminará às 08:00 de sábado, dia 14 de Janeiro. 
na “indústria da greve” continua a não haver crise...
excepto para pensionistas e reformados que já não tem forças para protestar!

sábado, 7 de janeiro de 2012

Comentador Seguro

Seguro foi ao Jantar de Reis da Concelhia do PS/Porto, onde aproveitando através dos pmmj presentes deixou uma pergunta ao Governo dos últimos seis meses: "Como é que é possível olhar para um país que, no mesmo dia em que tens os níveis de confiança mais baixos de sempre, tem o nível de desemprego mais elevado de sempre?". E comentou que há duas maneiras de governar: "Uma, é desistir dele, é baixar os braços, é dizer aos jovens e aos professores: emigrem. Mas há uma outra alternativa, há um outro caminho, que é dar esperança, é dar confiança através de propostas concretas", sem indicar o caminho, que esperança e qual confiança.
Seguro voltou a rejeitar que o destino de Portugal seja a austeridade e, no que pareceu um óbvio ataque ao governo socialista grego, comparando-o com o governo que temos desde Julho, referiu que “essa receita já foi aplicada na Grécia e não resultou".
O agora secretario-geral aproveitou o jantar para defender a teoria recentemente divulgada pelo seu antecessor, o Doutor Eng. Pinto de Sousa, que “ o Governo olha para os mercados, faz tudo pelos mercados, nada contra os mercados. os mercados são importantes numa economia, mas é fundamental que essa economia esteja ao serviço das pessoas e em particular das pessoas que mais necessitam da criação dessa mesma riqueza".

A.J.Seguro, a exemplo do seu antecessor, eng. Sousa, continua em campanha eleitoral como se Cavaco fosse Sampaio e Passos fosse Santana.
Será que Seguro augura, um próximo primeiro-ministro “papademos goldman sachs” num novo governo de uma coligação “à grega” com socialistas ?.
Admito que, quanto a isto, ele saiba alguma coisa que nos está a ser escondida! Pinto de Sousa sabia-o e acabou por ficar "os seis anos" que os "actuais" socialistas querem branquear.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

desinformação?

Como é que é possivel que depois de se ouvir isto:

num jornal se "transcreva" isto:
"CDS sugere que consumidores penalizem Pingo Doce
João Almeida, vice-presidente da bancada do CDS e porta-voz do partido, sugeriu esta tarde no Parlamento que os consumidores podem tirar consequências da deslocalização do principal accionista da Jerónimo Martins para a Holanda, grupo detentor dos supermercados Pingo Doce, adaptando "o seu comportamento". por Sofia Rodrigues no Publico



Sobre esta jornalista será interessante ler o que José Queiroz, Provedor do Leitor do Jornal Público escreveu a proposito disto: Quando se anuncia que não vai acontecer o que já aconteceu 

Claro que ainda temos bons Jornalistas: AQUI 
...aquilo ou é um óbvio trabalho  de contra-informação ou apenas incapacidade pequeno-jornalistica em ler a linguagem gestual?

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

informação séria!

Se Portugal decidisse boicotar as empresas nacionais que transferiram sedes fiscais para a Holanda - não podíamos nem ir ao banco, nem ligar a eletricidade em casa, nem abrir as torneiras da água corrente, nem ir a nenhum supermercado. Isto, porque praticamente todo o País financeiro de relevo se mudou para a Holanda. Ou seja, o caso da Jerónimo Martins não é o único. Dezanove das 20 empresas cotadas na Bolsa de Lisboa já o fizeram. Bagão Felix na Sic Noticias


vale a pena ouvir

a Industria da Greve nos “cacilheiros”

Os trabalhadores do Grupo Transtejo, responsáveis pelas ligações fluviais entre a Margem Sul e Lisboa, vão realizar plenários na tarde de quinta-feira, o que vai originar a paralisação em todas as carreiras, com inicio às 13h25 no sentido Barreiro/Lisboa, e às 13h50 no sentido inverso, sendo retomadas a partir das 16h20. Sic Noticias

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

A ao nível de 2003



O rendimento por habitante em Portugal vai recuar, em 2012, para níveis de há dez anos.
Mas não é só a riqueza anual por habitante a recuar. O consumo também encolheu no nosso país. Portugal está agora “ao nível de 2002 ou 2003”. Mara Dionísio e Teresa Abecasis rr

domingo, 1 de janeiro de 2012

"Portugal é maior do que a crise que vivemos"

Cavaco Silva anteviu 2012 como um ano em que "se irão exigir grandes sacrifícios ao comum dos portugueses", em que "as dificuldades se farão sentir de forma mais acentuada no dia-a-dia", mas manifestou-se confiante na resposta dos portugueses: "Será igualmente um ano em que a fibra do nosso povo virá ao de cima".
"Portugal é maior do que a crise que vivemos", afirmou, na mensagem de Ano Novo, o Presidente da Republica, pedindo uma "união de esforços" para o país aproveitar esta "crise" para "mudar de vida e construir uma economia saudável". lusa 
José Luís Carneiro, do secretariado nacional do PS, que comentou a Mensagem do Presidente afirmando que "é cada vez mais notório que o governo está isolado nesta sua insensibilidade para ouvir os sectores mais dinâmicos e mais activos da sociedade portuguesa", afirma que "o essencial da mensagem de Ano Novo do Presidente da República é partilhado pelo Partido Socialista. dn 
Jorge Pires, da Comissão Política do Partido Comunista Português, entende que Cavaco Silva "é um homem que se colocou claramente ao lado do pacto de agressão e não dos trabalhadores do País, quando referiu a inevitabilidade relativamente ao acordo que foi negociado com a "troika" internacional". dn 
Carvalho da Silva, o secretário geral da CGTP, qualificou hoje de "inaceitável" a ausência de referências ao mercado laboral no discurso do Presidente da República, deixando ainda mais algumas críticas à mensagem do Ano Novo; "O Presidente abordou alguns conceitos e conteúdos que têm coerência, mas que depois são contrariados no resto do discurso. A coesão social é importante. O respeito por todos os portugueses e o combate à resignação também. Mas Cavaco Silva não pode resumir o diálogo social ao desafio da competitividade", comentou o sindicalista. i online 
Fernando Rosas, dirigente do Bloco de Esquerda, disse à Agência Lusa que "O Presidente salientou, e bem como o BE tem feito, que a crise internacional caiu em cima de uma crise que já cá estava, quando disse que a economia tinha vulnerabilidades e há oito anos que está a afastar-se do desenvolvimento dos seus parceiros europeus". expresso
mas
Jorge Costa, o deputado, afirma que "Cavaco Silva é um dos políticos no activo com responsabilidades de governo há 30 anos e não é aceitável que se refira aos políticos como se não fosse um deles". esquerda